Jundiaqui
Jundiaqui

Em cena, a voz de Humanos Anônimos

Jundiaqui
16 de abril de 2019
Por José Arnaldo de Oliveira

O que pode haver em comum entre uma bordadeira analfabeta, um carregador de malas, uma entusiasta de promessas políticas e um homem-rolimã? Em primeiro lugar, claro, o fato de portarem surpreendentes sonhos de dignidade. E, em seguida, a condição de ainda serem invisíveis para a maioria das pessoas mas terem uma bela mensagem para a vida.
Tudo transformado em outra linguagem para “Humanos Anônimos”, a nova peça teatral do Performático Éos em seu 28º ano de atividade baseada em Jundiaí.

Inspirada em livro da premiada jornalista Eliane Blum, a montagem tem roteiro inspirado de Ulisses Vertuan e direção do polivalente Carlos Pasqualin, com os atores Cristina Guimarães, Édipo Queiroz e Marici Nicioli, além do próprio Ulisses. E mais a sonoplastia ao vivo do músico Antunes Nasser e o projeto preciso de iluminação de Décio Scalle, além do cenário de Ângelo César Simonete e os figurinos da costureira Delzira Reis.

As apresentações no Ballet Teatro Oficina - na rua Abolição (na região do Largo do Chafariz) - segue o roteiro de espaços alternativos mantido pelo grupo até com arquibancadas em lugares. Foi assim com o teatro do absurdo “Uma Arquitetura Para a Morte”, no Clube 28. Com o teatro de tom épico “Joana”, em sala do Complexo Fepasa. Com o teatro mitológico de “Pavão Misterioso”, no extinto Espaço Juventude, na Nove de Julho. Com a montagem nietzschiana “Ditirambos”, no Gravidade Zero. Com a comédia irresistível de “Amor Sem Limites”, no mezanino da lanchonete do Clube São João. E assim por diante.

Desta vez os quatro atores em cena, com a proximidade do público, parecem falar diretamente com cada um. As expressões faciais e corporais dizem frases mudas ao lado das palavras. E os efeitos sonoros são um quinto elemento, reforçado em apenas um momento pela voz em “off” cedida por Márcio Tenor.

Até a discreta mas eficiente cenografia guarda um impacto para o final.
O tom geral é minimalista, detalhista, com variações em torno de características inconfundíveis do Performático Éos, grupo teatral do diretor e pedagogo Carlos Pasqualin que marca sua história por temporadas de suas produções.

O livro que inspirou o roteiro, “A Vida Que Ninguém Vê”, conquistou o Prêmio Jabuti 2007 na categoria livro de reportagem. No espetáculo, esse grupo de artistas aplica criatividade para levar a essência das gentes, ao vivo. Nada mais atual. Grandes desafios, pequenas vitórias.

A peça tem patrocínio de Lanchonete Natura e Koh Samui e apoio de Ballet Teatro Oficina – Jo Martin, Abramus e Unidade de Gestão de Cultura.
Estão confirmadas as sessões de 19 e 20 de abril, às 20h, com reservas em 99891-6366.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Ho-ho-ho

Por Vera Vaia

Amigo Secreto do JundiAqui fecha com cinco obras vendidas

Os demais quadros doados por artistas da cidade serão leiloados ou rifados agora pelas instituições

Clube da Lady tem festa pelos seus 59 anos

Comemoração sob o comando de Lucinha e Nailor é no dia 22

Serra do Japi tem nova descoberta: aranha que “usa” a luz

Essa “aranha de caranguejo” tem uma aparência branca, com um amarelo vivo na ponta das patas
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.