Jundiaqui
Jundiaqui

Livro de Orlando Marciano vai à Bienal do Rio

Jundiaqui
29 de agosto de 2019
“O que vi, aprendi e recomendo para a vida” também vai gerar palestra intercalada com clássicos sertanejos

As lições de Orlando Marciano, que saiu da roça para comandar a grande cooperativa de Jundiaí, a Coopercica, que comemora agora em 2019 seus 50 anos, estão fazendo sucesso em livro. E isso faz com que a editora Literare Books Internacional leve “O que vi, aprendi e recomendo para a vida” à  Bienal do Livro do Rio de Janeiro, que começa nesta sexta-feira (30). O prefácio é de Max Gehringer, com quem Orlando trabalhou na Cica.

Orlando se diz empolgado com a apresentação da obra para um público gigantesco que vai passar até 8 de setembro pelo Centro de Exposições do Riocentro, que vai apresentar novidades da Turma da Mônica, da Monja Coen, de Luis Fernando Verissimo, porque reunirá os autores mais badalados do mercado editorial, caso ainda do historiador Laurentino Gomes, que lança um novo livro sobre a escravidão, e de Harvard Steven Levitsky.

Orlando assina ainda um capítulo de outro livro na Bienal, o "Manual do Empreendedorismo".

PALESTRA MUSICADA

O empresário e escritor contou ao JundiAqui que está desenvolvendo uma palestra em cima das ideias que apresentou em “O que vi, aprendi e recomendo para a vida”. "Falarei de gestão, de como resolver situações de conflito e qual comportamento adotar nas situação de enfrentamento com diferentes setores da sociedade, como os políticos. E como gosto de cantar e vou fazer algo lúdico, haverá músicas intercalando a palestra".

O livro é de vivências, traz histórias da roça ao mundo dos negócios e dá dicas para quem quer vencer na vida e construir uma carreira com ética e resiliência para superar os momentos difíceis como o atual brasileiro.

Veja também:

Exclusivo: Max Gehringer em Jundiaí em festa de Orlando Marciano
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Cestinhas com creme de mandioquinha e queijo roquefort

Por Paulo de Luna

Tainan abre vantagem após 17 jogos para Thiago e Gisela

Jornalista de Jundiaí que vive em Portugal é fera dos palpites até aqui

O último apito da Bragantina

Por Vilvaldo José Breternitz

Esse é o cemitério visto de cima e que vai ser mapeado por drone

Desterro vai ganhar um sistema de geolocalização do controle de túmulos
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.