Jundiaqui
Jundiaqui

Monólogo traz Marcello Airoldi em “A Queda”

Jundiaqui
11 de maio de 2019
O que um homem pode fazer quando tudo que é seu está partindo?



"A Queda" será apresentada no teatro do Sesc Jundiaí, neste sábado (11), às 19h. O espetáculo provoca o personagem e o público a refletirem sobre preconceitos e machismo, misturando esses temas com questões ancestrais, como a busca e questionamentos sobre religiosidade e Deus.

No enredo, um homem está numa queda livre e convida a plateia a presenciar este acontecimento. Neste percurso sua única companhia, além do público, é um pássaro que tem a função de arrancar seus membros, vísceras e memória, à medida que se aprofunda na queda. Antes de perder tudo o que possui, ou tudo o que seu corpo e espírito carregam, o homem tenta elaborar os significados deste “milagre”, despedindo-se de tudo o que compõe a sua história. Seu corpo, sensações, sentimentos, religião, conceitos, começam a desaparecer.

Enquanto cai, este homem se aprofunda cada vez mais em si mesmo, num mergulho seminal que o faz rever desde os princípios que o capacitaram para a vida social, até suas origens míticas, numa espécie de reação em cadeia invertida, que caminha do expandido para o mais íntimo e sutil, lhe devolvendo o encanto de lembrar-se de si e de sua civilização.

O diretor é Nelson Baskerville e o ator é Marcello Airoldi, que fez diversas novelas e seriados, como "Viver a Vida", "Geração Brasil", "Salve Jorge", "Malhação" na Globo e que no cinema recebeu o prêmio de melhor ator coadjuvante no Los Angeles Brazilian Film Festival, pelo trabalho em "Onde está a felicidade?".

 

Informações: (11) 4583-4900.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

“À Espera” é nova estreia nos palcos com texto de Sérgio Roveri

Dramaturgo jundiaiense traz agora a história de três personagens que podem estar em qualquer lugar, em qualquer tempo

Dia da maldade

Pelo chef Manuel Alves Filho

Tênis Clube abre folia do Carnaval em noite de fantasia

Uma linda festa, com foliões que capricharam no visual, marcou o início da festa de Momo 

a rotina é o nome cotidiano que deram à morte

por José Renato Forner
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.