Jundiaqui
Jundiaqui

O negócio é amor

Jundiaqui
26 de dezembro de 2017
Por André Kondo

Final de noite no trem. Embarca o homem de dreadlocks (já com alguns fios brancos), empoeiradas sandálias de couro nos pés, roupas surradas, cavaquinho a tiracolo. Seu sorriso contrasta com todas as caras amarradas dentro do vagão. Ele deseja a todos uma boa noite. Começo a soltar um “boa”, mas não termino a “noite”, pois fico sem graça diante do sepulcral silêncio da desinteressada plateia. Alguns viram a cara. O sorriso continua solitário, como um farol diante de um mar sem barcos. Os dedos buscam as cordas do cavaquinho e a voz começa o samba portelense:

“O negócio é amor, o resto é conversa fiada”.

Os passageiros estão com os rostos presos nos reflexos das janelas riscadas.
“Amanhã a gente morre, da terra não se leva nada”.

Falar de morte àquela hora poderia deprimir ainda mais as pessoas por ali, mas ele canta a morte com um sorriso tão vivo que nem parece se tratar da indesejável.

“E amanhã a gente morre, da terra não se leva nada”.

E ainda repete, para garantir que todos acreditem que um dia a gente morre mesmo. Afinado, passos de samba miúdos, dá um giro, ginga o corpo de um lado, agora para o outro, e os dedos dançando. Mas o povo ainda finge ausência. Acredito que o motivo seja simples: quem presta atenção tem que pagar pelo show. Uma moeda ou duas ou uma nota até? E todo mundo é muito apegado ao dinheiro para dá-lo a cada pedinte, mesmo que ele seja um artista.

“O negócio é amor...”

Uma garotinha vira no assento, mãozinhas no encosto, olhar espichado.

“O resto é conversa fiada...”

A criança o acompanha balançando a cabeça e, finalmente, sorri. Então, eu sorrio também. Percebo que aquele é um momento para se sorrir, já que crianças são boas para indicarem isso. Já estou convencido. Pego a carteira e busco um trocado.

“Amanhã a gente morre, da terra não se leva nada”.

Chegamos à próxima estação. Ele se aproxima da porta. Não pede moeda pra ninguém. Quando tento estender o trocado, ele recusa com uma mesura, sem tirar os dedos que se equilibram nas cordas da alegria.

Com um último cumprimento para a menina, o homem desembarca ainda cantando, sem carregar dinheiro algum, mas levando o sorriso da criança consigo.

É... o negócio dele era só amor.

(André Kondo ganhou o 3º lugar, categoria crônica nacional, no Prêmio Mário Quintana – 2017)

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Natura e IAC descobrem novo perfume na natureza

Foram 13 anos de pesquisa até que a parceria rendesse grandes novidades

O ponto

Um ponto final significaria o fim de tudo ou seria só um acidente de digitação, pergunta Cláudia Bergamasco

Torre da Cica deveria marcar Parque Linear do Rio Guapeva

Por José Arnaldo de Oliveira

Dalmo, Eduardo Calasans e Paulo tocam na Feijoada dos Pais

Você é convidado a curtir uma deliciosa feijoada e um som incrível no dia 11 de agosto
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.