Jundiaqui
Jundiaqui

Obra do jundiaiense Décio Pignatari revisitada em São Paulo

Jundiaqui
22 de novembro de 2017
Nome-chave da poesia visual no Brasil tem trabalhos expostos na Galeria Millan

A exposição "Décio Pignatari – Na Arte Interessa O Que Não" está em cartaz a partir desta quarta-feira (22) e até 20 de dezembro na Capital.

A mostra se caracteriza pela apresentação de uma maioria de trabalhos menos conhecidos do jundiaiense, incluindo alguns há muito fora de circulação, produzidos entre os anos 1950 até 2000, sem deixar de fora exemplos dos clássicos da produção de Décio, num conjunto de cerca de cinquenta obras.

Também são exibidos manuscritos e datiloscritos originais, cartas, fotografias e outros documentos, alguns deles jamais vistos publicamente, e ainda material sonoro e audiovisual.

A exposição, que ocupa os dois andares da Galeria Millan, se propõe a dar um panorama conciso mas multifacetado da produção artística de Décio, que amplia a compreensão de sua obra para além do reconhecimento como um dos fundadores da poesia concreta ao lado dos irmãos Augusto e Haroldo de Campos.

Ao longo de mais de meio século de atuação no meio cultural do país, Décio Pignatari explorou nos seus trabalhos não apenas a dimensão semântica, mas também sonora e principalmente visual da linguagem. Nome-chave da poesia visual no Brasil, ficou conhecido por sua inquietude criativa, sendo também autor de peças de teatro, contos e um romance, sempre com alto grau de experimentação, além de uma série de textos de referência nas áreas da semiótica e da teoria da comunicação.

Parte da sua rica produção artística pode ser vista na exposição, incluindo originais de época de poemas visuais como "Terra" (1958) e o icônico "Beba Coca-Cola" (em versão serigráfica assinada por Décio em 1991), além de obras como "Pelé" e "Agora", da série Poemas Semióticos (1964) e uma tiragem fac-símile de "Cr$isto é a Solução" (1967) — que o público poderá levar pra casa — que dialogam de perto com o contexto atual do país.

Em meio a uma variedade de técnicas e suportes – impressos em offset e em serigrafia, objetos, gravações de áudio e outros – os visitantes terão acesso a dois importantes poemas-livro, "Life" (1958) e "Organismo" (1960), disponibilizados em réplicas que poderão ser manipuladas no espaço expositivo.



O curador João Bandeira considera que a obra de Décio Pignatari “é como um continente ainda mal conhecido”. E completa: “o trabalho do Décio ao lado dos irmãos Campos na criação da poesia concreta nos anos 1950 e a discussão sobre isso que ele encampou com eles é, com certeza, uma herança fundamental. Mas a originalidade e a amplitude da produção dele não se esgotam aí. Ele tinha uma coragem de arriscar que eu acho admirável. Além do Décio designer de linguagem naquele padrão suíço mais conhecido, tem também o Décio 'udigrudi', que trocava figurinhas com, por exemplo, Hélio Oiticica ou Júlio Bressane, e que criou com Rogério Duprat o impagável ‘Marda – Movimento de Arregimentação Radical em Defesa da Arte’, pautado pela mais ácida irreverência, de onde saíram roteiros para fotonovelas e coisas como happenings ao som do jingle Brazil, My Mother (de 1970), que, aliás, vai estar também nesta exposição na galeria Millan”.

Décio Pignatari nasceu em Jundiaí em agosto de 1927, filho de imigrantes italianos, e morreu em São Paulo, em 2012. Foi poeta, tradutor, semioticista, ensaísta e professor.

É na Rua Fradique Coutinho, 1360/1416, São Paulo.

Fotos: reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Mato Seco no Sesc nesta quinta-feira

Banda faz show “Pronto a Botar Fogo” nesta quinta-feira em Jundiaí

Jundiaiense fala do medo que sentiu com terremoto no México

Gabriel Nunes conta sobre segundos que pareciam intermináveis de pânico coletivo

Bença mãe, bença pai!

Por Nelson Manzatto

Revolução de 1932: Jundiaí bombardeada por avião de Getúlio

A história foi publicada em jornais, mostra Vivaldo José Breternitz
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.