Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaí vai revelar novos mestre-salas e porta-bandeiras

Jundiaqui
15 de abril de 2019
Vai ter curso gratuito de maio a setembro com Matheus Silva e Marina Trivelato

Quem reclama que Jundiaí não gosta de Carnaval, dançou. A Unidade de Cultura abre inscrições para o curso teórico e prático de Mestre-Sala e Porta-Bandeira.

São 10 vagas para quem tem mais de 8 anos de idade. O projeto de iniciação e aperfeiçoamento conta com aulas ministradas pelos professores Matheus Silva e Marina Trivelato, da Escola de Samba Unidos da Zona Leste.O curso será realizado no Complexo Fepasa (avenida União dos Ferroviários, 1.760, Centro) de 5 de maio a 17 de novembro, sempre um domingo por mês, das 9h às 11h.

As inscrições vão até 5 de maio - aqui.

É tudo gratuito, mas elas terão que se apresentar com saia rodada em corte godê na cor branca até a altura do joelho, camiseta ou regata preferencialmente na cor branca, sapato ou sandália com pequeno salto ou sapatilha (não é permito tamanco, porque o calçado deve ser preso ao pé) e talabarte (peça onde se encaixa a haste da bandeira). Eles têm que usar calça social, camiseta e sapato fechado preferencialmente na cor branca.

A roupa é uma parte importante do julgamento durante um desfile de escola de samba. O jurado leva em conta também se o casal samba, o que não é legal, ou se consegue realmente executar um bailado no ritmo do samba, com passos e características próprias, com meneios, mesuras, giros, meias-voltas e torneados.

Conta ainda a harmonia do casal que, durante a sua exibição, com graça, leveza e majestade, deve apresentar uma sequência de movimentos coordenados, deixando evidenciada a integração.

A função do mestre-sala é cortejar a porta-bandeira, bem como proteger e apresentar o pavilhão (bandeira) da escola, devendo desenvolver gestos e posturas elegantes, que demonstrem reverência à sua dama. A porta-bandeira tem que conduzir e apresentar o pavilhão sempre desfraldado e sem enrolá-lo em seu próprio corpo.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Protesto válido, mas inválido

Por Marcel Capretz

Valtinho, o sonoplasta jundiaiense que dava show em São Paulo

Valter Tadeu Vieira trabalhou na Rádio Globo e nos últimos vinte anos estava na Rádio Capital

Corredor de folhas

Por Valquiria Malagoli

Perfil falso que abalou eleição nos EUA usou foto de jundiaiense

“The New York Times” esclareceu mistério com ajuda do site “G1”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.