Jundiaqui
Jundiaqui

Lançamento de livro consagra 25 anos do Refogado do Sandi

Jundiaqui
7 de fevereiro de 2019
“É delicioso fazer parte dessa linda história, agora registrada para a eternidade”, diz a primeira rainha do bloco

José Arnaldo de Oliveira

O evento de “Infinita É Tua Beleza”, livro de 216 páginas e mais de 800 fotos que registra os 25 anos do bloco Refogado do Sandi como parte da história da cultura jundiaiense e brasileira entre 1994 e 2019, levou muitos personagens dessa trajetória ao Gabinete de Leitura Ruy Barbosa na noite de sexta-feira (1º). Uma festa que seguiu no sábado (2) no Casa Cica Bar e Cozinha e também no domingo (3), no Maxi Shopping Jundiaí, em concorridas sessões de autógrafos do autor, o jornalista e editor do Jundiaqui, Edu Cerioni.

O local do primeiro lançamento levou a obra para o ponto de partida do bloco em seus desfiles pelo Centro Histórico desde 1996. “É impressionante notar como fazemos parte dessa história e também como o tempo passa depressa”, comentou a Madrinha da Bandinha, Fátima Borges. “E como é delicioso fazer parte dessa linda história, agora registrada para a eternidade”, emendou sua irmã, Ana Regina Borges Silva, a primeira rainha do bloco.

Uma sensação oposta à vivida pelas jovens Lígia Ballas ou Maria Fernanda Cerioni, que fotografavam sem parar as pessoas nos eventos e se mostravam fascinadas pela longa história acumulada pelo Refogado, com pdersonagens animados, barulhentos e cheios de alegria.

O professor e artista plástico Alex Roch observavou o contraste como parte do que é o bloco – uma manifestação cultural de verdade, que passa de geração a geração. “Por isso virou patrimônio imaterial”, citou.

O livro lida com essa abrangência com uma linguagem direta, apoiada nas centenas de fotos e citando fatos de cada época dessa história para localizar os mais novos e relembrar aos veteranos.

Era o caso da dupla Sandra e Diva, as criadoras do pequeno Bar Sandi onde em 1994 surgiu a proposta de resgatar a cultura dos blocos carnavalescos em Jundiaí.

Estão lá todas as rainhas e todos os sambas – alguns dos quais contam com o próprio Edu entre os autores. Mas estão sobretudo as pessoas que desfilam causos que formam a tapeçaria desse bloco que alcançou 25 anos de existência em um ambiente de paz.

“É o primeiro e um dos maiores lançamentos do ano”, comenta Márcio Martelli, editor da In House, que começou no ramo na virada dos anos 1980 e 1990 com um trabalho na Universidade de São Paulo sobre as pesquisas de Mário de Andrade. O livro tem uma versão em preto e branco por R$ 45 e uma versão colorida sob encomenda, por R$ 150,00. Ambas impressionam.

No Gabinete circulavam pessoas como Pedro Fávaro Júnior, que teve seu pai que foi prefeito por duas vezes homenageado no bloco por iniciativa de sua filha e sobrinha, ou Pedro Bigardi, que também era prefeito quando o Refogado do Sandi foi reconhecido como patrimônio cultural imaterial de Jundiaí como ocorre com o Clube 28 ou a Romaria a Pirapora e, mais recentemente, no atual governo Luiz Fernando Machado, com o modo de produção do vinho artesanal e a coxinha de queijo, além de Fusca Clube e do Paulista Futebol Clube.

Capa do livro antes de ser eleita rainha, Liliane Rossi circulava com muita energia pelo evento, reencontrando amigos de várias épocas.

A "deretora" Gisela Vieira aproveitava para lembrar que o núcleo do Refogado é como uma família – e essa vida segue antes e depois do Carnaval. Nesta reta final, tem ainda eventos nos dias 8, 15 e 22 de fevereiro com convidados, no Las Muchachas, no dia 27 de fevereiro, no Natura, e depois do desfile do dia 1º de março o baile da apoteose no Grêmio - em todos esses eventos, a In House vai estar vendendo o livro.

O registro do lançamento do livro foi feito por praticamente todos os meios de comunicação da cidade, que ganharam destaque em um painel de agradecimento feito pelo autor e exposto no Gabinete.

A marca dos 25 anos do Refogado do Sandi celebrada pelo livro – que quem teve contato confirma ser uma leitura saborosa que não dá para desgrudar – estimulou conversas também sobre novas ações conjuntas no Gabinete de Leitura, que tem mais de 100 anos (parece ser de 1898, por coincidência mesmo ano de abertura da chamada Estaçãozinha e da lendária A Paulicéa).

Não é apenas um livro. É um reencontro. Ou, como definiu a produtora Fátima Augusto, parece um filme. “É coisa de cinema”.



 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Revolução de 32: rádio transmissor apreendido e dono preso

Por Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga

Rock perde Miranda, parceiro de jundiaiense no “Banguela Records”

Produtor musical morre aos 56 anos; ganhou fama como jurado de “Ídolos”, no SBT

Shelly Simon canta no Hard Rock Café de Hollywood 

Cantora curte temporada nos Estados Unidos, onde foi gravar um single

Chupa leva farra das baterias, em festão na Casa Cica

Ligia Ballas traz os melhores momentos da noitada do bloco de carnaval Chupa que é de Uva
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.