Jundiaqui
Jundiaqui

Dos 50 anos do “Jornal Nacional”, seis foram com jundiaiense à frente

Jundiaqui
2 de setembro de 2019
Fabbio Perez foi editor-chefe do telejornal mais importante do país entre os anos de 1984 e 1990

Fabbio Perez nasceu em Jundiaí em 1936 e hoje mora em São Paulo. Ele se destacou na história do jornalismo como editor-chefe do "Jornal Nacional" da Rede Globo de Televisão, que completou seu Jubileu de Ouro neste domingo (1º) - curiosamente a festa caiu no único dia da semana que não vai ao ar.

Perez começou sua carreira profissional em rádio aqui na cidade. Em 1960, foi contratado pela TV e Rádio Tupi de São Paulo como locutor titular do "Grande Jornal Falado Tupi". Participou como apresentador do telejornal "Edição Extra" e em 1962 foi locutor fundador do "Primeira Hora", na Rádio Bandeirantes. Em 1963, venceu o concurso para locutor titular do "Repórter Esso", em São Paulo. Dois anos depois, na TV Tupi, apresentou o telejornal "Diário de São Paulo na TV". Também trabalhou durante cinco anos na TV Cultura, atuando como apresentador e em outras funções no telejornalismo da emissora.

O jundiaiense começou a trabalhar na Globo em 1975, em São Paulo, como editor principal dos telejornais locais e de rede. Em 1978, já no Rio de Janeiro, passou a ser o editor-chefe do telejornal "Amanhã", que apresentou uma linguagem inovadora, valorizando a informalidade, privilegiando a notícia curta. Pouco depois, editou o "Globo Revista", programa de entrevistas e debates ao vivo com personalidades da política e da cultura brasileira. Políticos como Leonel Brizola, Jânio Quadros e Tancredo Neves passaram pelo "Globo Revista", um marco considerado importante para a distensão política no país. Para Perez, a experiência do programa foi pioneira na televisão brasileira. "Foi o primeiro momento num órgão de grande penetração que se discutiu o Brasil dentro da ditadura. Quer dizer, foi o prenúncio de que tempos novos estavam por vir.”

Fabbio Perez assumiu o cargo de editor-chefe do "Jornal da Globo" em 1979. Em 1980, coube a ela a tarefa de ser o narrador das transmissões ao vivo da primeira vinda de João Paulo II ao país. Durante os dias em que o Papa viajou pelo Brasil, a programação da Globo foi alterada para permitir um acompanhamento total da visita. Nas visitas posteriores de João Paulo II, o jornalista também foi escalado para a função.

Permaneceu no "Jornal da Globo" até 1981, quando passou a editar o "Jornal Hoje". Uma experiência de que tem muito orgulho: o noticiário, segundo ele, teria prestado "um grande serviço à televisão brasileira, porque ele era um jornal experimental. Ele ousava nas formas, principalmente.” No ano seguinte, Perez foi transferido para o "Jornal Nacional", acompanhando o momento de abertura política brasileira e, consequentemente, a maior inserção de matérias sobre política no principal telejornal da emissora.

Ele participou da cobertura de momentos importantes, como a campanha pelas Diretas, em 1983, e a morte de Tancredo Neves, em 1985. Entre outros fatos marcantes cobertos pelo jornalista, destacam-se a instalação da Assembleia Nacional Constituinte e a promulgação da Constituição, em 1988.

Em 1984 assumiu como editor-chefe e ficou seis anos à frente do "Jornal Nacional", quando em 1990 foi escalado para dirigir o Jornalismo da Globo em Brasília.

Neste domingo, a Globo comemorou com festa e lançamento de um livro os 50 anos do telejornal mais famoso e importante do Brasil, que tem parte de sua história escrita por um jundiaiense.

E MAIS...

Fabbio Perez ocupou ainda o cargo de editor-chefe do "Fantástico" e do "Globo Repórter". Foi também editor e apresentador do programa "Globo Rural". Em 2004 passou a editar e narrar DVDs e programas ligados ao meio-ambiente na Globo. Participa como pesquisador, redator, editor e narrador das séries "ABC da Amazônia" e "Globo Natureza".
Jundiaqui
Você vai
gostar de

O mutante Corinthians

Por Marcel Capretz

Jundiaí em quarentena fotografada do alto: uma cidade como você nunca viu

Cleber de Almeida traz dez imagens que mostram a terça-feira em que quase ninguém saiu de casa na cidade toda

Juliana Galdino e a insurreição feminina contra o poder e as regras sociais

Club Noir estreia espetáculo “Fedra” nesta sexta-feira, em São Paulo

FMJ envia dez para Projeto Rondon no Acre, em avião da FAB

Dois professores acompanham oito estudantes selecionados em Bujari
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.