Jundiaqui
Jundiaqui

A Ponte de Bambu

Jundiaqui
1 de dezembro de 2019
Documentário inédito é lançado sobre o jornalista jundiaiense Jayme Martins

Cláudia Bergamasco

Eram anos de chumbo no Brasil e o jornalista Jayme Martins recebeu um convite para trabalhar em jornais, uma rádio e dar aulas na Universidade de Pequim, China. Ele foi. Quando o avião fez sua primeira escala, no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, escreveu uma carta àquela que viria a ser sua futura esposa, Maria Angelina, onde dizia, entre outras coisas, que aquele momento da viagem para o outro lado do mundo parecia, para ele, estar inaugurando uma nova rota no Planeta Terra.

Sem saber, o que escrevera tornou-se realidade. As relações comerciais e culturais entre Brasil e China são hoje das mais poderosas e a família Martins tem forte participação na difusão dessas relações. Isso é só um pouquinho do que mostra o documentário inédito "A Ponte de Bambu", exibido em sessão fechada com exclusividade para amigos e parentes na manhã deste domingo, 1º de dezembro, no Shopping Paineiras.

Escrito e dirigido pelo premiado cineasta Marcelo Machado, que se consagrou como documentarista, o filme é uma co-produção da Globofilmes com a Secretaria de Estado da Cultura e estreia no circuito cultural brasileiro em abril de 2020.

O estímulo para fazer o filme, diz Machado, é que os brasileiros precisam conhecer a experiência da família Martins (Jayme e Angelina, e as filhas Andréia e Raquel) na China. Contar a história da família ajuda, diz ele, a estreitar ainda mais os laços com a terra do Sol Nascente, que têm sido cada vez mais fortes, já que a China tem se consolidado como uma potência mundial em várias áreas da economia.

O documentário começou a ser produzido cinco anos atrás, em 2014, e só foi concluído agora, depois de muita pesquisa e entrevistas. Coincidentemente, o início das filmagens, muitas na chácara onde Jayme e Angelina moram, em Jundiaí, começou quando Jayme foi diagnosticado com o Mal de Parkinson. Mas, hoje, aos 90 anos, ele continua lúcido e com sua característica veia humorística afiada. Perguntado se está bem, ele responde sempre com sua voz potente: “Bem - galado”, por causa da bengala que passou a usar.

Jayme tinha 28 anos de idade quando foi para a China, então um país extremamente fechado e com um regime político comunista ferrenho. Casou com Maria Angelina por procuração e algum tempo depois o amor da sua vida embarcou numa viagem que mudaria para sempre sua vida. Em 1964, eles voltaram para o Brasil de férias. Jayme foi preso com a alegação de fazer parte da “guerrilha chinesa”. Angelina carregava Raquel no colo, então com três anos, e na barriga, Andréia. Conseguiram voltar 21 meses depois clandestinamente.

Raquel e Andréia aprenderam as primeiras letras em chinês e passaram toda a infância e a primeira adolescência em Pequim. “A gente se via como filhos de pais revolucionários”, diz Raquel no documentário. Aprenderam português depois do chinês (e seus dialetos).

Só depois que o governo brasileiro decretou o Ato Institucional 5 (A.I.5), em 1979, é que a família Martins voltou ao Brasil de forma oficial – Raquel com 15 anos, Andréia com 13. Em 1988, elas retornaram à China (eu conheci Raquel em 1984, quando passamos a dividir uma quitinete no centro de São Paulo e moramos juntas até ela ir estudar Letras Chinesas lá do outro lado do mundo).

A China tornou-se uma segunda casa para os Martins. Jayme tornou-se especialista em China. Foi correspondente de rádios e jornais brasileiros e ganhou prêmio por suas reportagens sobre o massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989, em que cerca de cinco mil estudantes pediam o fim da corrupção e do Partido Comunista. A imagem que ficou gravada na mente de todas as pessoas que assistiram pelas tevês do mundo inteiro aqueles protestos foi a do jovem estudante que, sozinho e desarmado, enfrentou um tanque de guerra e fez parar uma fileira inteira deles. Muita gente foi morta, entre eles, amigos de Raquel e de Andréia.

Não vou fazer spoiler do documentário. Mas posso dizer com toda certeza que Marcelo Machado puxou o fio de um novelo que se desenrola lindamente sobre a família Martins e como eles influenciaram e ainda influenciam pessoas de todas as idades a olhar o mundo de forma diferente, de como amplificaram as relações comerciais entre Brasil e China e ainda têm muito a oferecer para que essa potência se torne um parceiro ainda mais importante para o nosso país.

Seja quais caminhos a serem seguidos, eles, os Martins, estarão sempre ajustando os nós desta ponte de bambu.

Cláudia Bergamasco é jornalista

Foto mais ao alto: Fabbio Perez, jornalista, Jayme Martins e o cineasta Marcelo Machado.

Outra foto: da esquerda para direita, Andréia, Jayme, Cláudia Bergamasco e Raquel, que veio da China especialmente para a exibição deste documentário.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Lucro sufoca pruridos

Por José Renato Nalini

Índios também foram escravos em Jundiahy

Por Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga

Jundiaí já teve um prefeito assassinado

Isso foi em 1943, uma história que Vivaldo José Breternitz resgata para o JundiAqui

Rotarianos conhecem e aprovam projeto “OAB Vai à Escola”

Lucinha Andrade Gomes é convidada a palestrar no Rotary Club de Jundiaí Leste
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.