Jundiaqui
Colunista:
Cláudia Bergamasco
Jundiaqui

Cláudia Bergamasco

A casa do Centro

Naquela penumbra que ali reinava, um cheiro de mofo, o tempo era uma ilusão, passava rápido e a felicidade era fácil, conta Cláudia Bergamasco

Você

Perder as coisas simples. É isso que endurece a alma, diz Cláudia Bergamasco nesta crônica
Jundiaqui

Quais livros ter na sua biblioteca

Doce de leite “made in Jundiaí”

Silêncio!

Don’t go breaking my heart

Lápis e papel

Crenças

Encruzilhada

Notre Dame em chamas

Uma avó, uma neta, um trauma

Sem dizer adeus

Então já é Carnaval, meu amor

Mudança de pele

Os corações de Marcelo Camunhas

O mosquito e o marido

Celebração do prazer

Ao gosto do freguês

A chuva

A inveja é uma merda

O tempo de Angelina Zambelli

Um grito de socorro

Sem açúcar, com afeto

Eu não sou escritora

Sua presença

Tempo da maturidade

Marionetes ou anjos? Objetos abjetos?

Panela de avó

Poeminha safado

Vulcões ativos 

O empate do Brasil

Apenas uma flor

Os portenhos

A Casa

Cinco ponto quatro

Mulheres

Manoel

O canto da cigarra

Diário de Bordo 2

Diário de bordo parte 1

Gervásio e o gambá

Malditos escritores!

Cláudia Bergamasco traz a sustentabilidade sem mimimi

A doce orgia de Arthur

O ponto

A terra de Angelina Zambelli

Leoa enjaulada

Passagem para algum lugar

As gêmeas

Toda mulher é bonita

Quando o “normal” é uma doença

Jundiaqui
Jundiaqui
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.