Jundiaqui
Jundiaqui

Crônica da Cozinha – Aos vencedores, as bananas!

Jundiaqui
8 de abril de 2018
Pelo chef Manuel Alves Filho

A banana talvez seja a mais prosaica e versátil das frutas. É encontrada o ano todo nas gôndolas e esquinas, inclusive as mais baldias da cidade, a preço quase sempre respeitoso. E se presta a um incontável número de preparações, forjadas tanto pela confeitaria quanto pela chamada cozinha quente. Eu gosto de banana. Tanto quanto gosto de gente. Aliás, se gente fosse, esta fruta talvez ostentasse os sobrenomes Silva ou Santos, tão comuns e ao mesmo tempo tão essenciais à constituição do povo brasileiro.

Banana in natura é o que há. Nanica, maçã, ouro, prata, cada qual com sua personalidade e, quiçá, idiossincrasia. Saciam a fome e adoçam o momento. Temos também as espécies mais dadas à cocção, como a banana-da-terra. Não perde a pose nem mesmo quando submetida a altas temperaturas. Algumas são mais doces e ternas; outras, mais austeras e adstringentes. Todas, porém, de significativo valor nutricional e sensorial.

Aprecio banana na farofa. Adoro banana na moqueca. Sou doido por uma compota da fruta. Além disso, jamais dispenso uma banana natural como companhia do arroz com feijão e “mistura”. A minha memória mais remota relacionada à banana é a cozinha da casa dos meus pais. Minha mãe, dona Glória, costumava preparar tachos enormes de bananada, que depois era deitada delicadamente sobre uma pedra de mármore para repousar e esfriar.

Assim que a consistência permitia, minha mãe cortava o doce em pequenos losangos, que depois eram passados pelo açúcar cristal e transferidos para grandes potes de vidros, onde permaneciam por poucos dias, claro. Os pequenos tabletes derretiam na boca, como nuvens que se desfazem no céu. Ah, que maravilha de alimento é a banana! Tão nobre e saborosa que deveria ser sempre entregue aos vencedores, desde que estes tivessem superado justas batalhas.

Manuel Alves Filho é jornalista e chef de cozinha
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Festival Jazz & Blues dita a trilha sonora a partir do dia 9

Sesc Jundiaí recebe grandes nomes até dia 12, entre eles Robertinho Silva 

Crime passional ou suicídio?

Vivaldo José Breternitz relembra caso famoso dos anos 40

Blocos de Carnaval agitam feijoadas em agosto

Kakerê faz a sua no feriado do dia 15 no Natura e Chupa que é de Uva agita dia 20, no Casa Cica

R$ 4,40: Jundiaí tem a segunda maior tarifa de ônibus

Só Campinas cobra mais, R$ 4,70. São cerca de 120 mil passageiros ao dia aqui
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.