Jundiaqui
Jundiaqui

Amizades e delícias da culinária jundiaiense

Jundiaqui
28 de março de 2019
Por Guaraci Alvarenga

Apreciar a boa comida e o prazer de degustá-la é fonte de bem-estar. Digo que é sorte mesmo ser convidado algumas vezes por pessoas que nutrem, como verdadeiros master-chefs, esta gostosa paixão por cozinhar e reunir os amigos à mesa. Que me perdoem os chefs internacionais conhecidos, mas bom mesmo é...

Saborear a estrelada paella de frutos do mar do Pitico Raymundo, que é um deslumbre.

O picante camarão ensopadinho com chuchu do mestre Paulo de Luna.

A generosa macarronada do Inos Corradin.

O prato de resistência do Vanoil, um cordeiro no molho de alecrim.

Os incríveis risotos de Angela Rappa, rainha e cortesã da arte da culinária.

A bacalhoada de Pili Rodrigues.

A especial comida tailandesa de Tom Nando, o Fofão.

O quente vatapá de Vera Vaia.

A “pasta” no caldo do limão siciliano do dr. Marcio Nogueira.

A finíssima lasanha de Marília Higo do Prado.

A costela assada, na medida certa, do bom corintiano Viana.

A posta de robalo no azeite de Orides Russi.

O ceviche clássico de Ivone Nogueira.

Os incríveis canapés de Ciça Gasparoto.

O “tutu à mineira” da sempre colunável Elida Furtado (foto).

As porpetas do chef Cássio.

A suculenta feijoada do Nenê Cardoso.

O escabeche do Angelo Espanhol.

A salada de frutos do mar da bela Márcia Russi.

O especial omelete, gorgonzola, palmito e cebolinha do Getúlio Nogueira de Sá.

A apetitosa rabada com polenta brilhosa de Dona Quita Amadi.

A farofa de mandioca amarela do Ivan da Interglobe.

A pizza Marguerita do Esquerda.

A massa fina “a papalina” do Edu Kalaf.

A salada de camarões de Don Contursi.

O arroz carreteiro do Carlinhos Cocada.

O saboroso peixe na grelha do Cláudio Gomes.

Não há prazer maior do que comer estas iguarias. Esta turma sabe, como poucos, pilotar um fogão.

E para terminar, sem pecado da gula, o adocicado tabuleiro de Silene Paladino, com doces irresistíveis.

Aplaudo ainda o longo tempo de resistência e as delícias de casas tradicionais da cidade, como o pãozinho francês do Schiavi, o joelho de porco do Paulo Roberto Braga (Alemão da Marechal), o filé a parmegiana do Beira Rio, o torresmo "oleoso" do bar do Baiano, a coxinha do Dadá, o pastel do bar do Pedro, o kibe do Samir, os lanches do Mirim Dog, o file à Osvaldo Aranha do Chafariz, o bacalhau na brasa do Barão, a perna de cabrito tostada do Winner.

Quero acrescentar a toda esta gente e aos bares e restaurante o ingrediente do meu carinho, salpicado pela minha admiração e uma doce pitada de reverência. Irei juntar tudo e passar por uma peneira fina, até atingir a consistência dos laços que me possa chamá-los de queridos.

Guaraci Alvarenga é advogado/Foto: Edu Cerioni

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Menino que ganhou concurso da Nasa dá palestra em Jundiaí

Foi na escola Ivo de Bona que João Paulo Barrera falou sobre sonho de ir ao espaço

“Volúpia satânica de matar o povo à fome”

A denúncia foi feita por Candelário de Freitas em 1948, mostra Vivaldo José Breternitz

História de Hugo Mendes Pereira vai parar na TV

Jundiaiense que vive em uma Kombi junto com a cadela Brisa vira notícia no país

Em uma semana, Gianlucca vai da Globo para novela da Record

Ator jundiaiense de 9 anos vai ser um príncipe na trama que estreia em abril e vem sendo gravada em Paulínia
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.