Jundiaqui
Jundiaqui

Festa do Celmi espalha solidariedade no Casa Cica

Jundiaqui
9 de novembro de 2019
Com convites esgotados, encontro arrecadou dinheiro para Julio Montheiro

José Arnaldo de Oliveira

Com casa lotada, o evento “Luz e Memória” marcou a tarde da sexta-feira (8) com uma mistura de festa e solidariedade. Organizado pelo Celmi – Centro de Educação e Lazer para Melhor Idade - em apoio ao fotógrafo Julio Montheiro, reuniu mais de 350 pessoas no Casa Cica Bar e Cozinha e contou com show voluntário da banda A Kripta.

O momento mais emocionante ocorreu na chegada do homenageado, que foi vítima de uma série de AVCs, em meio a um mar de aplausos (muitos são seus ex-alunos do curso de fotografia no próprio Celmi).

Na reta final para o ano de seu 20º aniversário, o Celmi reforçou o seu foco no convívio qualificado como eixo comum das muitas atividades e projetos.
“Nossa missão é fazer essa diferença. Os convites acabaram porque o local não comportava mais pessoas”, afirmou a gestora e psicopedagoga Orlinda Silva.

Os músicos de A Kripta – Dalmo Gatti, Eduardo Calasans e Paulo Penteado – tocaram de clássicos do pop setentista como Procol Harum a sambões de Carnaval. Tocando apenas voluntariamente, a banda faz parte da história musical da cidade e esteve nas passeatas que ajudaram a salvar a Serra do Japi, por exemplo.

E a gastronomia da Casa Cica garantiu o “brunch”.

Ao enviar vídeo para a família em São Paulo, Fábio Ota resumiu o evento como emocionante - ele que entrou na roda de samba e fez bonito. Com a International School of Games, que chegou à final de start ups da Band, é parceiro do Celmi inclusive em projeto apoiado pela Fapesp.

O vice-prefeito de Jundiaí, Antonio de Pádua Pacheco, passou pelo local e destacou que esse tipo de trabalho gera bem estar e reduz os problemas de saúde na terceira idade. Outras personalidades como a ex-primeira dama Marialice Fossen também participaram.

Para Nailor Gropelo, presidente do Clube da Lady, iniciativas desse tipo mostram que mesmo com crises Jundiaí segue sendo solidária. E a psicóloga Elaine Matias foi lembrada por ter levado a turma de uma aula no campo de memória à clínica onde um dos participantes foi internado para tratamento. “A solidariedade é uma energia do bem”.

Muitas pessoas destacaram o papel do convívio de adultos ou idosos na superação de problemas ou traumas. “É fundamental, porque muitas vezes os desafios são imensos”, reflete a professora Gicélia Savieto. Um dos companheiros de infância do homenageado, o agente de turismo de veteranos Valdir Linardi, reforçou a imprevisibilidade.

Pela Câmara, também passou pelo local o vereador Albino.

A civilidade entre as pessoas é um valor a ser mais desenvolvido e inspirado nos italianos, opinou Jeanette Gut. Também foi algo apontado por Ana Cândida – o social e o solidário podem e devem estar sempre juntos.
A tarde chuvosa não poderia ter sido mais renovadora de esperanças.

Foram feitas três homenagens na tarde festiva, com entrega de placas para A Kripta, a Ana Crsitina Ferraz pelo Casa Cica e a Edu Cerioni, editor do JundiAqui e parceiro de divulgação do “Luz e Memória”.

Todos receberam na saída da festa um exemplar do JundiAqui em Revista -  "Um Século de Curiosidades", que destaca em suas páginas a história do Celmi, entre tantas outras.

Confira mais de 300 fotos da festa

Jundiaqui
Você vai
gostar de

A infância de Jesus

Por Douglas Mondo

Prefeito reinaugura praça com presença de criadores da Festa Italiana

Luiz Fernando homenageou Alfredo Paoletti e padre Giuseppe Bortolato, entre outros moradores da Colônia

Alckmin inaugura Complexo Viário Ary Fossen

Governador esteve em Jundiaí nesta quarta-feira para entrega das alças da Anhanguera

Nazismo reciclado na telona do Moviecom Arte

“Bye Bye Alemanha” traz trapalhadas de um grupo de judeus depois da Segunda Guerra
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.