Jundiaqui
Jundiaqui

Ana Candiotto, nova promessa do tênis de Jundiaí

Jundiaqui
11 de agosto de 2019
Ela faz parte de uma equipe de alto rendimento que conta com 13 atletas do Brasil

Nossa cidade tem tradição em tenistas que conseguiram sucesso na carreira, caso de Glaucia Langela, Júlio Silva e Vanessa Menga. Mas atualmente uma tenista da nova geração vem despontando no Brasil com excelentes resultados, com direito a ser capa de revista internacional como revelação: aos 15 anos, Ana Candiotto coleciona títulos da Copa Guga, Copa São Paulo, Banana Bowl e Copa Gerdau, os mais importantes torneios juvenis nacionais.

A garota já foi convocada a defender São Paulo na Copa das Federações por 5 anos consecutivos, além de ter feito parte da Seleção Brasileira nos Campeonatos Sul-Americanos e Mundial de Tênis na categoria 12 e 14 anos.  No final do ano passado, conseguiu seus primeiros pontos pela Federação Internacional de Tênis - ITF, onde competem meninas de até 18 anos de todas as partes do mundo.

Ana Candiotto treina no Instituto Tênis desde outubro de 2016. O local é um dos mais importantes Centros de Treinamento do país. Ela faz parte de uma equipe de alto rendimento que conta com 13 atletas de vários estados do Brasil. Para entrar no Instituto é necessário ser convidado e passar por avaliações para ser admitido. Treina ali o mais recente campeão juvenil de duplas de Rolland Garros, o campineiro Matheus Puccinelli, de 17 anos, por exemplo. O Centro de Treinamento tem como objetivo formar o novo tenista número 1 do mundo brasileiro.

Aninha, como é carinhosa chamada pela família e amigos, pratica o tênis desde os 5 anos de idade, motivada pelas duas irmãs – Fernanda, hoje com 17, e Júlia, 20, que estuda marketing nos EUA, defendendo o time de tênis da faculdade.

De família de esportistas (o avó e o pai jogaram basquete e as tias, vôlei), o tênis aconteceu para ela de forma muito natural dentro do Tênis Clube de Jundiaí. Vendo o progresso de Ana nas aulinhas e seu empenho em quadra durante os jogos amistosos, os técnicos e pais a incentivaram a avançar. Começou treinando com Kim Carrero, depois na FKTenis, e também com  Priscila Ortega (que foi uma grande tenista juvenil).

Mas para quem ama o tênis, é preciso sempre estar se aperfeiçoando. 2016 foi um ano de muitas mudanças, quando recebeu o convite para integrar a equipe do Instituto Tênis.

Aninha passou o final de 2016 e o ano de 2017 indo todos os dias da semana, após a escola, para o treinamento no Instituto, que fica em Barueri, e jogando nos finais de semana. “ Era muito cansativo conciliar os estudos no Colégio Leonardo da Vinci, viajar todos os dias para treinar e também viajar para competir. Aí achamos que seria melhor pra mim morar lá.”  Com apenas 13 anos Aninha decidiu, com o apoio dos pais, morar no Centro de Treinamento. “Hoje estudo a distância para poder treinar dois períodos, e moro com minhas colegas de equipe dentro do CT. E nos finais de semana que não tenho campeonato volto para minha casa em Jundiaí”.

MENINA DE DETERMINAÇÃO

A rotina de treinos é puxada, as viagens muitas. Só este ano esteve duas vezes no Paraguai, na Argentina, nos EUA, em Curitiba, Londrina, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Uberlândia. Ano passado esteve 3 vezes no Paraguai, Argentina, Colômbia, Peru, Holanda, Bélgica e Alemanha, além dos torneios nacionais. Antes já esteve também na Bolívia e no Canadá, com apenas 12 anos.

“Eu amo jogar Tênis, acho que sou muito competitiva, mas também fiz vários amigos. Gosto de respeitar minhas adversárias e acabo recebendo o mesmo”, conta. “Tenho histórias engraçadas dos torneios, até um morcego já acabamos matando sem querer, durante uma partida”. Aninha lembra que “já fiquei em vários hotéis e também em casas de família para participar dos torneios. Tem famílias que já considero de verdade".

Sobre o momento atual, diz: "Tive que aprender a perder, principalmente quando comecei a jogar na categoria até 18 anos, já que as meninas muitas vezes são mais fortes e estão mais bem preparadas, também perdí bem na Europa e Estados Unidos, não gosto não (risos), mas faz parte. Se viajo e perco, procuro voltar e corrigir meus erros, me dedico ainda mais”.

Ela demonstra grande crescimento mental e como esportista. Diz gostar de desafios, de superar dificuldades e ser independente, sem perder a alegria de ser adolescente.

“Hoje meu principal técnico no IT é Luis Fabiano Ferreira, que treinou tenistas como o Thomas Bellucci, Thiago Lopes, Ricardo Hocevar e a Bia Haddad. Ele diz que tenho grandes chances de sucesso e eu sigo em frente. Quero me tornar profissional”.

Além de ser atleta do IT, o que inclui não só o treinamento em si, mas toda uma estrutura que conta com preparador físico, pedagoga, psicóloga, nutricionista, fisioterapeuta e acompanhamento do técnico nas viagens, Aninha hoje tem apoio do Bolsa Atleta, da marca Wilson, e da loja Salles que faz todo encordoamento de suas raquetes.

Quem também quiser ajudar Aninha na sua carreira pode aderir a um “apadrinhamento”. As informações podem ser obtidas através do próprio Instituto Tênis, Projeto patrocinado por Lei de Incentivo ao Esporte, e cujo espaço físico é do técnico de vôlei e tricampeão olímpico José Roberto Guimarães, localizado em Barueri.

Fotos: Álbum de Família
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Tratamento de canal

Quando bem realizado, tem um índice de sucesso de mais de 95%

Pra não deixar a história da nossa ferrovia se apagar

Vem aí a décima edição do livro “Meu Pai Foi Ferroviário”, fechando o projeto nascido em 1996

Inscrições abertas: curso de italiano em dois anos e de graça

Começa nesta segunda-feira e vai até dia 20 o prazo para interessados. Há opções ainda de inglês, francês e espanhol

Quer entender o jogo de Fernando Diniz?

Marcel Capretz analisa o trabalho desse treinador que fez história em Jundiaí
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.