Jundiaqui
Jundiaqui

Análise de trabalho

Jundiaqui
21 de novembro de 2017
Por Marcel Capretz

Final de temporada, muita coisa já definida e é normal pipocarem notícias sobre o planejamento - ou a falta dele - dos clubes para a temporada seguinte. E o que mais me chama a atenção é a especulação diante de nomes de treinadores que possam vir a trocar um time por outro ou serem contratados após um período de inatividade. Critério zero na avaliação de perfil, ideias de jogo, conhecimentos e experiências acumuladas.

Vamos pegar o caso do Palmeiras, por exemplo. Dois nomes são cogitados para assumir a equipe em 2018: Abel Braga e Róger Machado. Qual a semelhança entre ambos? Que ponto do trabalho de cada um converge e serve como diretriz para a filosofia de jogo do clube nos próximos anos? Nenhum!!!

Aqui não vai juízo de valor sobre quem é melhor ou pior. Até porque Abel Braga não conseguiu dar consistência ao Fluminense neste ano, em um trabalho pobre de ideias, organização e conceitos. E Róger até apresenta muitos fundamentos técnicos e táticos, mas tem pecado na execução deles já que não conseguiu finalizar seus trabalhos no Grêmio e no Atlético-MG.

O ponto dessa minha crítica é a falta de uma análise profunda dos clubes para definir quem será o seu gestor técnico de campo. Ao trazer dois perfis tão antagônicos a discussão, fica evidente que não há uma filosofia de futebol a seguir. E a própria análise de que Abel tem um perfil vitorioso e agregador é muito rasa e não contempla os multi fatores que interferem em um resultado no futebol.

A resposta está no próprio clube: o que a história e maiores conquistas dizem? Qual é o jeito de jogar que mais agrada o nosso torcedor - o verdadeiro interessado no produto final? Que elenco teremos para o ano seguinte? A partir das respostas dessas perguntas é que se busca o perfil do treinador ideal para dar andamento a um projeto planejado. Com foco no clube e não no técnico. É muito mais do que um perfil, que muitas vezes agrada a opinião pública, mas que não tem consistência no médio prazo. Que o Palmeiras aprenda com os erros de 2017.

Marcel Capretz é apresentador do "Futebol Esporte Show", do SBT

Jundiaqui
Você vai
gostar de

clamo ao tempo

Por José Renato Forner

Aguinaldo de Bastos, Poeta da Igualdade, foi morar com as estrelas

Advogado e autor de livros traduzidos em cinco idiomas morre aos 85 anos

Curta da Legatun é Jundiaí na telona do Maxi

Filme feito na cidade terá exibição sábado e domingo às 10h30, com entrada gratuita

Agora o ano começa pra valer

Por Kelly Galbieri
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.