Jundiaqui
Jundiaqui

Cadê a evolução, Felipão?!

Jundiaqui
6 de fevereiro de 2019
Por Marcel Caprtetz

Aprendo a cada dia estudando e analisando futebol que não há certo ou errado. E até o jogar bonito e o jogar feio são relativos. Vai depender do gosto. Do ponto de vista. O cumprimento da lógica pura e simples do jogo dita que você deve fazer mais gols que o seu adversário. E isso pode ser atingido de diversas maneiras.

O Palmeiras foi campeão brasileiro no ano passado com muitos méritos. O técnico Luiz Felipe Scolari foi cirúrgico e perspicaz em diversos pontos. Fora de campo trazendo paz, confiança e segurança para os atletas. E dentro das quatro linhas implementando ideias simples de jogo. Ideias de fácil assimilação, que com muita conversa e pouco treino podem ser aplicadas.

O Verdão se defendia, e ainda se defende, sempre com muitos jogadores - de quatro a seis jogadores atrás da linha de bola. Dessa forma, dificilmente você vai levar contra-ataque, por exemplo. Para atacar, o padrão de comportamento é a verticalidade, o ataque direto e rápido. Está com a posse? Bola longa para o centroavante disputar a primeira bola e gerar alguma situação para os jogadores que vêm de trás. E como o Palmeiras conta com jogadores de altíssimo nível, como Dudu, Bruno Henrique, William (machucado) e agora Ricardo Goulart, isso pode funcionar muito bem. Como já funcionou no ano passado na conquista do título nacional. E pode continuar funcionando.

O ponto, porém, é a falta de repertório da equipe. É claro que não tenho a pretensão de achar que Felipão, no auge dos seus 70 anos e já com um currículo extremamente vitorioso, vá trazer para sua equipe conceitos como terceiro-homem, viajar junto, mobilidade, amplitude e outros tantos que compõe o jogo de posição de Pep Guardiola. Ou então importar o gegenpressing de Klopp, que une pressão, pressing, temporização e outros conceitos para atacar o contra-ataque rival. Mas acredito que esse Palmeiras pode mais.

Para situações de desvantagem no placar, como contra o Corinthians no final de semana, aliada a desvantagem emocional como contra o Boca Juniors na Libertadores e Cruzeiro na Copa do Brasil, ambas no ano passado, o cruzamento na área não pode ser a única opção.

Insisto que não há certo ou errado no futebol. O Palmeiras jogar simples e objetivamente tem muito valor, sim senhor. Entretanto vejo uma equipe de futebol como algo sempre em construção. Em evolução. E se não há crescimento há queda. O mais do mesmo no futebol é perigoso porque seu adversário está crescendo e está te estudando. A estagnação no jogar é o primeiro e mais crucial passo para a queda.

Marcel Capretz é jornalista esportivo

Foto: reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Promessa de ligar Jundiaí a São Paulo de trem em meia hora vem de 1934

Por Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga

Conselhos do patrimônio aprovam remoção de entulho da Estaçãozinha

Pedaços de tijolos e telhas, madeiras afetadas pelo incêndio serão retirados, para que em breve local ganhe vida nova

Jundiaí prepara visual do Beco da Fepa, com homenagem a Tomé

Muro de 140 metros de extensão na entrada do Jardim Fepasa vai ser grafitado dia 13 de outubro

Já ouviu falar em stand up sertanejo? Dia 22 tem…

Marcus Cirillo vem a Jundiaí com “Caba Não Mundão”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.