Jundiaqui
Jundiaqui

Cadê o futebol ofensivo brasileiro?!

Jundiaqui
9 de abril de 2018
Por Marcel Capretz

O futebol brasileiro construiu suas vitórias através do jogo bem jogado. E esse jogo foi marcado pela ofensividade - sim, também é possível jogar bem tendo como principal virtude a defesa. Porém, quando passamos a chamar a atenção do mundo ganhando três entre quatro Copas do Mundo (de 1958 a 1970) nos caracterizamos pelo drible, velocidade, alegria, malemolência dos nossos craques.

O mundo mudou e o futebol também. Muitos brigam com isso, mas é a realidade. Antes não tínhamos celular. Hoje o mundo está na ponta dos nossos dedos. Antes a pedagogia do futebol de rua formava nossos craques. Hoje nossos garotos não conseguem ter as tais dez mil horas de prática, necessárias para a excelência de qualquer atividade.

O movimento recente de nossa 'escola' vem produzindo muito mais defesas do que ataques. Se diminuímos o número de craques formados e exportamos a maioria deles precocemente para a Europa, a saída que nossos treinadores encontraram foi trabalhar princípios e sub-princípios defensivos. Hoje vemos nos principais clubes do Brasil compactação, marcação por zona, sempre com coberturas bem executadas.

O próximo passo então é resgatar o que fazíamos, mas sabendo que só o talento não vai resolver. Com essas defesas bem estruturadas, apenas ataques com ideias e conteúdos vão funcionar. Nada de somente fazer a bola chegar ao terço final do campo e lá os jogadores saberão o que fazer.

Dá para trabalhar conceitos ofensivos. Dá para treinar. Existem mecanismos de fazer o jogador entender que mesmo sem a bola ele tem importância. Ele pode abrir linhas de passe, dar apoio, levar a marcação, gerar amplitude abrindo o campo e ter uma enorme relevância, mesmo sem tocando na bola.

É treino, é convencimento, é mudar a crença individualista geral que reina na nossa cultura. Dá trabalho. Mas dá para fazer.

Marcel Capretz é jornalista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Amigos se reúnem em domingão de Copa

Ruas desertas na hora do jogo do Brasil, mas uma galera na Pirapora foi exceção barulhenta

Anderson Zanchin é seu Ripió no Polytheama

Alunos de teatro de Alexandre Ferreira fazem espetáculo nesta quarta

A brincadeira, a gafe e a piada do tucano

Sabe aquela história de ‘picolé de chuchu’? Alckmin parece realmente disposto a apagá-la

Gedeone Malagola marcou a história das HQs

Um dos mais importantes e produtivos roteiristas brasileiros escolheu Jundiaí para viver seus últimos anos, conta Celso de Paula GEDEONE MALAGOLA (S [ ... ]
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.