Jundiaqui
Jundiaqui

Estudar tudo o que envolve o resultado no futebol

Jundiaqui
9 de outubro de 2018
Por Marcel Capretz

Estou buscando entender cada vez mais o porquê dos resultados no futebol. Tem uma explicação para tudo: para a vitória e para a derrota.

Já passei pelos estudos da teoria sistêmica, da teoria do caos, e todas levam ao cerne do nosso amor por essa modalidade: a imprevisibilidade. Ficamos atentos aos noventa minutos de uma partida de futebol porque não sabemos o que de fato vai acontecer.

Por outro lado, também tenho estudado muito análise de desempenho, que busca justamente, a grosso modo, entender padrões de comportamentos individuais e coletivos que sejam determinantes para o triunfo de uma equipe sobre o seu oponente.

Também fui buscar conhecer a mente humana, através da PNL (Programação Neurolinguística) e do Coaching, já que o jogo é técnico, tático, físico e é também emocional. Antes do chute, por exemplo, está o jogador que chuta; um passe é uma ação que envolve dois jogadores: o que executa a ação e o que a recebe. A relação e a comunicação entre esses dois elementos se bem trabalhadas podem potencializá-los.

Batendo tudo isso no liquidificador o suco que temos é frustrante para alguns e excitante para outros: não há fórmula para o sucesso no futebol. Não há nem certo nem errado. Até o que é bonito e o que é feio vai ser relativo e vai depender do ponto de vista

E a situação do Campeonato Brasileiro atual apenas corrobora tudo isso. Vamos pontuar algumas situações: se o treino serve, ou deveria servir, para melhorar um time como explicar o São Paulo tendo cinco semanas cheias de trabalho piorando, enquanto Felipão no Palmeiras sem nenhuma semana sem dois jogos está evoluindo? E Jair Ventura mudando pouquíssima coisa prática na equipe do Corinthians ter eliminado o rico Flamengo, do agora demitido Maurício Barbieri da Copa do Brasil?  Ou então a segurança espantosa que o Santos passou a ter após a presença do técnico Cuca no banco de reservas?

É claro que há mais pormenores nos exemplos que citei, mas o foco desse texto é mostrar que há muita coisa envolvida e que faz a diferença para uma bola entrar no gol ou bater na trave. É confiança, coragem, relações interpessoais, gestão de grupo, qualidade do treino, sistema de jogo que potencialize os atletas, comunicação flexível de função e tarefa para cada um e muitas outras coisas subjetivas. Tudo isso junto, ao mesmo tempo Quanto mais estudo futebol mais percebo que tenho que continuar estudando.

Marcel Capretz é jornalista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Escola não é prisão

Por José Renato Nalini

Atletas do Peama correm a São Silvestre

Rosenete tem 61 anos e problemas de visão, seu objetivo é mostrar que o esporte é para todos

O Circo

Dr. Didi mostra que os palhaços somos nós, porque os políticos estão rindo à toa

De zumba ao rock dos anos 50 no “Domingo no Parque”

Old Black Joe e outras atrações gratuitas. Até algumas pin-ups vão desfilar…
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.