Jundiaqui
Jundiaqui

Palmeiras, campeão brasileiro de 2018

Jundiaqui
2 de novembro de 2018
Por Marcel Capretz

 

O que vai ficar do segundo semestre deste ano para mim do futebol brasileiro é a 'ressurreição' do técnico Luis Felipe Scolari no Palmeiras. Por mais que tenhamos que ver a final da Libertadores disputada pelos argentinos Boca Juniors e River Plate, o trabalho de Felipão gera inúmeras reflexões e insights sobre o nosso momento.

Reconheço a força do Grêmio e seu estilo surpreendentemente propositivo com Renato Gaúcho e devo também mencionar a eficiência do Cruzeiro com o revigorado Mano Menezes. Mas esses dois trabalhos são de médio prazo. Dão resultado porque sustentam minimamente a ideia básica de que modelo de jogo só se consolida com tempo para implementação de ideias.

Já o Palmeiras de Felipão surpreende porque deu resultado muito rápido. De uma maneira simples, a equipe passou a ganhar de todo mundo. Claro, menos do Boca Juniors, mas sem ironia alguma isso não desabilita em nada o bom momento alviverde.

Busquei com muito interesse observar atentamente o entorno do Palmeiras para entender algumas diferenças que estão fazendo a diferença.

Primeiro, o time de Felipão joga simples. Não há nada de rebuscado na maneira direta e com poucos toques de atacar e na marcação individual-zonal para defender.

As transições, por consequência, também são realizadas mais 'a moda antiga': Como a bola longa é o principal padrão de comportamento para atacar, naturalmente a equipe mantém muitos jogadores atrás da linha de bola, sendo difícil tomar contra-ataque.

E buscar analisar o resultado de uma equipe não envolve apenas tentar entender padrões táticos e suas respectivas metodologias de treinamento para implementação. Procurei observar a comunicação dos atletas nas entrevistas, o ambiente do grupo revelado em comemorações de gol, o gestual após uma substituição, enfim, coisas que muitas vezes não damos valor, mas que por si só revelam um ambiente ou projetado para a vitória ou até mesmo projetado para a derrota.

Credito muito desse sucesso do time em campo à liderança e ao capital simbólico do treinador alviverde. A mentalidade vencedora e o viés de convencimento e segurança de um líder para os seus comandados transforma um grupo e contagia um ambiente. Pode estar aqui o grande segredo e gap de competência dos jovens técnicos que não têm conseguido afirmação em grandes clubes.

Podemos até questionar se esse modelo mais rudimentar do Palmeiras favorece o desenvolvimento do futebol brasileiro como um todo. Mas é impossível não reconhecer que Felipão ainda sabe o caminho das vitórias. E será ele o vencedor do torneio mais importante do nosso país em 2018.

Marcel Capretz é jornalista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Exclusivo: Max Gehringer em Jundiaí em festa de Orlando Marciano

Jundiaiense que brilha no “Fantástico” fez prefácio de livro lançado nesta quinta

Na estrada para Angkor Wat – Camboja

Por André Kondo

Sexta tem palestra “Ciência das Emoções” dentro do Revolução das Bengalas

Projeto leva à Biblioteca Municipal a pesquisadora Márcilla Cauner 

Claudio Nucci: toque de classe ao “Música do Chef” do Koh Samui

Cantor e compositor jundiaiense se apresenta junto com Dri Gonçalves nesta quinta
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.