Jundiaqui
Jundiaqui

Palmeiras, campeão brasileiro de 2018

Jundiaqui
2 de novembro de 2018
Por Marcel Capretz

 

O que vai ficar do segundo semestre deste ano para mim do futebol brasileiro é a 'ressurreição' do técnico Luis Felipe Scolari no Palmeiras. Por mais que tenhamos que ver a final da Libertadores disputada pelos argentinos Boca Juniors e River Plate, o trabalho de Felipão gera inúmeras reflexões e insights sobre o nosso momento.

Reconheço a força do Grêmio e seu estilo surpreendentemente propositivo com Renato Gaúcho e devo também mencionar a eficiência do Cruzeiro com o revigorado Mano Menezes. Mas esses dois trabalhos são de médio prazo. Dão resultado porque sustentam minimamente a ideia básica de que modelo de jogo só se consolida com tempo para implementação de ideias.

Já o Palmeiras de Felipão surpreende porque deu resultado muito rápido. De uma maneira simples, a equipe passou a ganhar de todo mundo. Claro, menos do Boca Juniors, mas sem ironia alguma isso não desabilita em nada o bom momento alviverde.

Busquei com muito interesse observar atentamente o entorno do Palmeiras para entender algumas diferenças que estão fazendo a diferença.

Primeiro, o time de Felipão joga simples. Não há nada de rebuscado na maneira direta e com poucos toques de atacar e na marcação individual-zonal para defender.

As transições, por consequência, também são realizadas mais 'a moda antiga': Como a bola longa é o principal padrão de comportamento para atacar, naturalmente a equipe mantém muitos jogadores atrás da linha de bola, sendo difícil tomar contra-ataque.

E buscar analisar o resultado de uma equipe não envolve apenas tentar entender padrões táticos e suas respectivas metodologias de treinamento para implementação. Procurei observar a comunicação dos atletas nas entrevistas, o ambiente do grupo revelado em comemorações de gol, o gestual após uma substituição, enfim, coisas que muitas vezes não damos valor, mas que por si só revelam um ambiente ou projetado para a vitória ou até mesmo projetado para a derrota.

Credito muito desse sucesso do time em campo à liderança e ao capital simbólico do treinador alviverde. A mentalidade vencedora e o viés de convencimento e segurança de um líder para os seus comandados transforma um grupo e contagia um ambiente. Pode estar aqui o grande segredo e gap de competência dos jovens técnicos que não têm conseguido afirmação em grandes clubes.

Podemos até questionar se esse modelo mais rudimentar do Palmeiras favorece o desenvolvimento do futebol brasileiro como um todo. Mas é impossível não reconhecer que Felipão ainda sabe o caminho das vitórias. E será ele o vencedor do torneio mais importante do nosso país em 2018.

Marcel Capretz é jornalista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Vida fácil

Por Valquíria Malagoli

O rápido passar do tempo

Por Wagner Ligabó

Associação dos Artistas Plásticos comemora 44 anos com exposição

Trabalhos podem ser conferidos até dia 27 na Biblioteca da Argos

Mais de 40 mil atletas de 300 cidades disputam Regionais. Jundiaí, não

A campeã de 2015 e vice de 2016 não terá representantes em Sorocaba. Skate estreia
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.