Jundiaqui
Jundiaqui

Palmeiras: primeira força?! Sério mesmo?!

Jundiaqui
17 de janeiro de 2018
Por Marcel Capretz

Mais um começo de ano e mais uma vez o Palmeiras foi certeiro nas contratações. Há de se reconhecer a excelente gestão administrativa e financeira do clube que permite que sejam contratados grandes nomes do futebol sulamericano sem comprometer o caixa. Pelo contrário, as inúmeras fontes de renda que o Palmeiras tem como bilheteria de jogos, patrocínio, direitos de transmissão, programa de sócio-torcedor, propiciam superávit mesmo com badalados reforços.

Porém, mesmo com essa elogiável administração e um elenco cheio de estrelas, o Palmeiras é apenas um dos favoritos para vencer os campeonatos em 2018. Isso porque no meu jeito de ver futebol é impossível comparar times sem vê-los atuar. Não dá para analisar nomes. O jogo é feito de variáveis tão incontroláveis que escalação no papel não serve para nada - o ano passado com o Corinthians que o diga.

Lucas Lima, Gustavo Scarpa, Diogo Barbosa e Marcos Rocha são grandes jogadores? Claro que sim! Sem contar os que ficaram, como Dudu, Felipe Mello, Moisés, e outros que são excelentes. Mas vamos lá para a máxima que uso bastante: o todo é maior que a soma das partes! Não é porque um clube tem bons jogadores que ele necessariamente terá um bom time. Basta pegarmos um princípio universal e primário do manual de qualquer treinador: administrar características e desejos dos jogadores dentro e fora de campo.

O que quero colocar aqui é que o técnico palmeirense Róger Machado terá um papel fundamental para fazer com que a soma desses bons jogadores resulte em um bom e vitorioso time. E não falo aqui apenas de ideias e conceitos de jogo. É claro que definir padrões de comportamento e resposta dentro das cinco fases  (ataque, defesa, transições defensiva e ofensiva e bola parada) que potencializem e complementem as características de cada jogador é essencial. Só que mais do que isso, Róger e sua comissão tem que acima de tudo possuir inteligência emocional para fazer com que todas essas estrelas tenham o mesmo objetivo e todos façam das vitórias do Palmeiras e não as suas vitórias pessoais, a principal missão.

Dinheiro não ganha nem jogo e nem campeonato. Quem tem mais receita: São Paulo ou Chapecoense? Quem garantiu vaga na Libertadores desse ano através do Brasileirão do ano passado? Pois é...quem tem mais receita hoje, fruto de boa administração: Corinthians ou Flamengo? Quem venceu o Brasileirão do ano passado? Ok...Dinheiro é importante, sim. Mas só ele não garante troféu. É melhor comemorar título na arquibancada do que contratação no aeroporto.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Manhãs de domingo

Por Wagner Ligabó

Dias felizes

Por Guaraci Alvarenga

Formação de times campeões

Por Marcel Capretz

De volta ao futuro, o legado de Venâncio

Por José Arnaldo de Oliveira
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.