Jundiaqui
Jundiaqui

Palmeiras: vai ou não vai? O que precisa mudar?

Jundiaqui
2 de novembro de 2018
Por Luis Cláudio Tarallo

Impressionante a gangorra do futebol... Isso fica evidente com a repercussão negativa do desempenho da equipe ‘palestrina’ após a desclassificação nas semifinais da Copa Libertadores, na última quarta-feira (31), diante do Boca Juniors, da Argentina.

E pensar que, há poucos meses, com a chegada do Felipão, o Palmeiras cresceu e deu esperanças de vencer tudo neste segundo semestre de 2018.

Com Felipão, o time conseguiu ótimas performances esportivas, com o treinador impondo todo seu estilo e ainda promovendo um grande rodízio de jogadores, evitando o desgaste físico e emocional dos atletas. Parecia o mundo ideal.

Cercado de jornalistas semanas atrás, o “chefe do verdão” foi exaltado por conta da possibilidade de vencer as três principais competições do ano: Copa do Brasil, Brasileirão e Libertadores, tamanho o sucesso que vinha alcançando com seus comandados.

Porém veio a primeira decepção com a desclassificação para o Cruzeiro na Copa do Brasil, que não foi tão sentida porque existia o sucesso adquirido até então na Libertadores e no Brasileirão. Mas parte desse segundo plano veio a desmoronar com a saída da tão almejada competição das Américas, que serve como ingresso para a disputa do Mundial.

Agora, mesmo líder do campeonato nacional, o Palmeiras desperta dúvidas devido ao desgaste emocional e físico dos atletas e tem muita gente que vê até da possibilidade de que a equipe não vença nenhuma competição.

O clube apresenta um superávit de R$ 57 milhões, tem um elenco invejável para muitas outras equipes e torcidas, um grandessíssimo estádio, uma grande quantidade de sócios-torcedores, uma respeitável patrocinadora, enfim tudo o que necessita para vencer e convencer. Todavia, os maus resultados acirram os ânimos dentro dos bastidores do verdão, ainda mais por conta das eleições que se aproximam com duas chapas formadas.

O grupo de oposição, liderado por Genaro Marino Neto, tem como apoiadores os ex-presidentes Paulo Nobre, figura importantíssima na reestruturação do clube e da equipe, e Mustafá Contursi. O desafio é grande, mas ficará mais fácil sem nenhum título para o grupo de situação formado pelo atual presidente Maurício Galiotte, que tem como parceira nesta empreitada a Leila Pereira, proprietária da Crefisa.

O fato é que a oposição acredita que a falta de resultados em campo possa influenciar na troca do comando do clube. A pergunta que nos cabe é: o presidente realmente tem a tão famosa “culpa no cartório”? Ou existem outros fatores que estão impedindo as conquistas? Ou seja, o Palmeiras com toda a estrutura financeira, elenco, comissão técnica vitoriosa, torcida, vai ou não vai?

Vamos aguardar amigos, só o tempo nos dirá...

Luis Cláudio Tarallo é técnico de basquete
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaí tenta quantificar poluição do ar

Por José Arnaldo de Oliveira

ACE abre oportunidade em meeting de negócios para 49 empresas

Vai ser durante a Feiccad 2018, no Maxi Shopping, no dia 20

ACE estimula empreendedor a entrar na disputa de licitação pública

Workshop no dia 6 de agosto vai orientar associados ou não para que oferecem produtos ao governo

Talharim e anéis de lula grelhados em creme de feijão branco

Por Paulo de Luna
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.