Jundiaqui
Jundiaqui

Pátria de chuteiras

Jundiaqui
14 de junho de 2018
Por Wagner Ligabó

Ontem ao ir para meu consultório me deparo, bem ali no final da avenida 9 de Julho, um enorme prédio (aliás duas torres gêmeas) abandonado com uma imensa bandeira do Brasil desfraldada quase até seus pés. Algo imponente!

Mas o que aquela imagem ali simbolizaria no atual momento do nosso país? Imediatamente associei a imagem ao Brasil de hoje, sem pôr nem tirar.

Somos exatamente aquilo: uma imensa estrutura abandonada ao Deus dará, sem ninguém a tomar conta devido a um governo alienado e perdido, corrupto e inconsequente, permitindo que “pichadores” façam deste Brasil o que bem entenderem. Uma enorme estrutura pujante abandonada ao relento e ao descaso dos governantes e seus tentáculos chupins.

Aquela enorme bandeira poderia ser o grito de redenção, o reflexo do nosso patriotismo, exigindo um Brasil melhor, exigindo providências para que aquela edificação fosse tratada com seriedade e compromisso, mudando para o “agora vai na marra” ficando pronta para ser habitada. A analogia é perfeita. O Brasil merece esta luta. Ali é o exemplo.

Mas não! A atitude da colocação do bandeiraço só serviu para demonstrar que estamos com o Brasil sim, não como país, mas com o desejo da chance de sermos um país campeão, infelizmente, só que no futebol.

Como dizia o saudoso Nelson Rodrigues continuamos a ser uma irresponsável pátria de chuteiras.

Minha análise sincera e até constrangedora sabe qual é ?

Apesar do selecionado de futebol ser bom e o técnico merecedor de crédito, pelo momento que o Brasil atravessa não merecemos ser campeões de absolutamente nada. Já basta sermos campeões em corrupção, analfabetismo, falta de saneamento, obras inacabadas, escândalos e índice de homicídios, isto só para citar alguns exemplos.

Meu sonho era que aquela enorme bandeira significasse o início de um novo Brasil e não é através de jogos de bola que isso irá acontecer. E tem mais: caso não se conquiste a Copa do Mundo nenhum daqueles nossos jogadores ficarão mais pobres, podem ter certeza.

E se o time for campeão o que mudará na sua vida além da alegria momentânea da conquista? Vai aumentar a oferta de emprego? Vai diminuir seus impostos? Nada disso meu caro! Amanhã será uma sexta-feira igual às outras!

Sonho pela hora do “acorda Brasil”, aquele momento democrático de um povo heroico com brado retumbante...

Pra frente Brasil!

Wagner Ligabó é médico cardiologista e vereador

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Maxi tem Feira do Livro

Contação de histórias com música e oficinas marcam os finais de semana

Na batida do pandeiro, ela manda a tristeza embora

Dona Ignezinha segue no samba, como sempre gostou de ver Odilon, que foi seu companheiro por 63 anos

Banda Allamanda faz show de tarde na praça do Vianelo

Tem rock, reggae e muito mais de graça a partir das 16 horas

“Tonico Perê” é novo livro de Evandro Silva e capa de Inos Corradin

Autor faz homenagem ao saudoso professor Adelino Brandão
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.