Jundiaqui
Jundiaqui

Porque o Palmeiras é o melhor

Jundiaqui
25 de novembro de 2018
Por Marcel Capretz

Nenhum resultado no futebol é por acaso ou fruto de sorte. Tudo tem uma explicação. Tanto a derrota quanto a vitória podem ser entendidas. Mesmo em um contexto caótico e imprevisível que é o futebol, somado ao imediatismo que domina os clubes brasileiros, há um trabalho por trás de tudo o que acontece. E o Palmeiras de Felipão campeão brasileiro deixa suas lições.

Posto que aqui ainda vale o ganhar a qualquer custo, deixo para um outro momento o debate sobre se esse Palmeiras contribui para a evolução do nosso futebol. Talvez toda a cadeia envolvida, incluindo nós da imprensa, dirigentes e torcedores, ainda precise amadurecer com relação a algumas métricas e padrões que compõe o que se joga em mais alto nível pelo mundo.

Mas Felipão soube ler como ninguém o que especificamente esse Palmeiras precisava para superar as incertezas que tinha com Róger Machado. Tanto dentro como fora de campo. E tudo o que Felipão apresentou de melhor em toda sua carreira caiu como uma luva para suprir essas lacunas que haviam.

Não é preciso um olhar muito clínico para diferenciar os comportamentos de Scolari e de Róger. Quem te parece um líder mais convincente? E aqui não trago o currículo na análise. Trago comunicação, discurso, liderança, linguagem corporal etc. Crie na sua mente uma imagem de ambos e responda: quem parece ter um melhor controle do vestiário? No final das contas, a grande chave pode ser fazer os jogadores comprarem sua ideia... consegue ver um Felipe Mello ou um Dudu batendo de frente com Felipão? Eu não consigo. Pelo contrário, Scolari tem seu estilo paizão, abraça todo mundo, mas no final das contas as coisas vão acontecer do jeito dele.

E na parte de campo, o Palmeiras passou a jogar mais simples. Um jeito fácil de compreender. Se com Róger a marcação era zonal com Felipão passou a ser individual por setor. Se antes o Palmeias buscava um ataque posicional, com muitos apoios, agora o jogo é mais vertical, com mais passe longo, atacando com poucos jogadores e buscando chegar na meta adversária com o menor gasto de energia possível. Um jogo menos rebuscado, mas que o jogador brasileiro compreende rapidamente e que não precisa de muito treino para ser implementado. Deu certo.

O Palmeiras é um clube estruturado para vencer. Em todos os aspectos. A dupla de diretores não estatutários Alexandre Mattos e Cícero Souza tem uma imensa participação nesse sucesso todo. Não é uma questão de ter dinheiro. O Flamengo também tem e está patinando. É saber usar com sabedoria os recursos disponíveis. Somada a eficiência de Felipão não poderia dar errado. Parabéns, Verdão. Melhor time do Brasil em 2018!

Marcel Caprtetz é jornalista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Celular na mão? Aqui você vai voltar pra fila da telefonista décadas atrás

Vivaldo José Breternitz mostra a reclamação de vereador porque a cidade tinha só 33 ramais para ligação interurbana

Jundiaiense fã de Elvis dá tempero ao “BBQ Brasil” no SBT

Sábado agora é dia pra torcer pelo engenheiro Fábio Alves no programa “Churrasco na Brasa”

Wifi liberado avança e chega aos velórios municipais

A rede de internet gratuita exige que você faça um cadastro e ele vale para parques etc

Nelson Ayres vem com dois convidados, John Surman e Rob Waring

Trio fará concerto neste sábado no Polytheama, quando lança o CD “Invisible Threads”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.