Jundiaqui
Jundiaqui

Quer dizer que o São Paulo é o melhor do mundo e o Flamengo o pior?!

Jundiaqui
20 de agosto de 2018
Por Marcel Capretz

O futebol brasileiro é dominado pelo imediatismo. Pela pressa. Pelas conclusões precipitadas. Para o bem e para o mal. A análise superficial em cima apenas de resultados cria heróis e vilões de maneira muito rápida.

Não quero aqui tirar a importância do resultado para balizar as análises. Pelo contrário. Tanto o sucesso como o fracasso não são frutos do acaso. Eles são conquistados pouco a pouco e deixam rastros, deixam pistas. Porém a avaliação tem que partir de processo, de contexto e de circunstâncias para traduzir a realidade da maneira mais fidedigna possível.

O São Paulo, por exemplo, já recebe elogios aos quatro cantos. Com o time tendo chegado à liderança do Campeonato Brasileiro já se exalta a expertise do trio Raí, Lugano e Ricardo Rocha em conduzir o futebol do clube.

De fato, o Tricolor foi muito mais assertivo nas últimas duas janelas de transferências, tanto para comprar quanto para vender, e a montagem do atual elenco foi bem mais criteriosa em termos de idade e valências físicas - o São Paulo não tem nem um time velho nem um time jovem demais e nem um time lento e nem um time pesado demais. Mas lembro que o Tricolor, já com Diego Aguirre, não chegou na final do Paulistão, caiu na Copa do Brasil diante do Atlético-PR e na Copa Sulamericana frente ao Colón. É claro que a equipe vem evoluindo nas mãos de Aguirre, contudo não podemos pontuar que o 'Campeão voltou' por conta da liderança no 1º turno do Brasileirão.

Do outro lado, vejo o Flamengo recebendo um caminhão de críticas. Há duas ou três semanas, o clube do Rio de Janeiro estava na crista da onda mostrando a todo mundo que sua superioridade financeira e de torcida finalmente iria fazer com que o futebol brasileiro tivesse um novo dono. Hoje, porém, após perder a liderança e o segundo lugar do Brasileirão e estar em uma situação delicada na Libertadores, ouço muito que o técnico Maurício Barbieri não está pronto, que a diretoria do clube só entende de finanças e não sabe nada de bola, que os jogadores não são cobrados e que não demonstram atitude etc.

Insisto que a vitória e a derrota são construídas e não simplesmente acontecem, como em um passe de mágica ou um golpe de sorte. Mas não consigo concordar em hoje achar que está tudo correndo de maneira perfeita e amanhã nada mais presta, por conta de dois ou três jogos. É claro que o São Paulo tem méritos em ser o líder do Brasileirão e o Flamengo teve um desempenho pífio contra o Cruzeiro pela Libertadores, só que cravar que o Tricolor já resgatou sua identidade vitoriosa e que o Mengão precisa rever toda a sua política de futebol tem uma distância gigante.

Entender de processo, metodologia de treinamento, construção de modelo de jogo, aquisição de comportamento e temperar tudo isso com a complexidade do caos imprevisível que é o futebol não faz mal para ninguém.

Marcel Capretz é apresentador de TV e radialista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Troque tampinhas de Coca-Cola por ingresso para Expoflora

Supermercados de bairros abrem porta para a feira das flores de Holambra

Big Mac se torna um cinquentão. E dia 25 ele ajuda o Grendacc

Antes, nesta quarta, tem festa nas seis lojas de Jundiaí. McDonald’s vende 1,5 bilhão desse sanduba por dia

Jundiaiense vira o novo xodó do Santos

Ele joga com a mesma camisa que um dia foi do bicampeão mundial Dalmo Gaspar

Marco Luque vem testar seu senso de humor

Comediante traz o show “1, 2, 3… Testando” na noite deste domingo
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.