Jundiaqui
Jundiaqui

Quer dizer que o São Paulo é o melhor do mundo e o Flamengo o pior?!

Jundiaqui
20 de agosto de 2018
Por Marcel Capretz

O futebol brasileiro é dominado pelo imediatismo. Pela pressa. Pelas conclusões precipitadas. Para o bem e para o mal. A análise superficial em cima apenas de resultados cria heróis e vilões de maneira muito rápida.

Não quero aqui tirar a importância do resultado para balizar as análises. Pelo contrário. Tanto o sucesso como o fracasso não são frutos do acaso. Eles são conquistados pouco a pouco e deixam rastros, deixam pistas. Porém a avaliação tem que partir de processo, de contexto e de circunstâncias para traduzir a realidade da maneira mais fidedigna possível.

O São Paulo, por exemplo, já recebe elogios aos quatro cantos. Com o time tendo chegado à liderança do Campeonato Brasileiro já se exalta a expertise do trio Raí, Lugano e Ricardo Rocha em conduzir o futebol do clube.

De fato, o Tricolor foi muito mais assertivo nas últimas duas janelas de transferências, tanto para comprar quanto para vender, e a montagem do atual elenco foi bem mais criteriosa em termos de idade e valências físicas - o São Paulo não tem nem um time velho nem um time jovem demais e nem um time lento e nem um time pesado demais. Mas lembro que o Tricolor, já com Diego Aguirre, não chegou na final do Paulistão, caiu na Copa do Brasil diante do Atlético-PR e na Copa Sulamericana frente ao Colón. É claro que a equipe vem evoluindo nas mãos de Aguirre, contudo não podemos pontuar que o 'Campeão voltou' por conta da liderança no 1º turno do Brasileirão.

Do outro lado, vejo o Flamengo recebendo um caminhão de críticas. Há duas ou três semanas, o clube do Rio de Janeiro estava na crista da onda mostrando a todo mundo que sua superioridade financeira e de torcida finalmente iria fazer com que o futebol brasileiro tivesse um novo dono. Hoje, porém, após perder a liderança e o segundo lugar do Brasileirão e estar em uma situação delicada na Libertadores, ouço muito que o técnico Maurício Barbieri não está pronto, que a diretoria do clube só entende de finanças e não sabe nada de bola, que os jogadores não são cobrados e que não demonstram atitude etc.

Insisto que a vitória e a derrota são construídas e não simplesmente acontecem, como em um passe de mágica ou um golpe de sorte. Mas não consigo concordar em hoje achar que está tudo correndo de maneira perfeita e amanhã nada mais presta, por conta de dois ou três jogos. É claro que o São Paulo tem méritos em ser o líder do Brasileirão e o Flamengo teve um desempenho pífio contra o Cruzeiro pela Libertadores, só que cravar que o Tricolor já resgatou sua identidade vitoriosa e que o Mengão precisa rever toda a sua política de futebol tem uma distância gigante.

Entender de processo, metodologia de treinamento, construção de modelo de jogo, aquisição de comportamento e temperar tudo isso com a complexidade do caos imprevisível que é o futebol não faz mal para ninguém.

Marcel Capretz é apresentador de TV e radialista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Karateca jundiaiense disputa mundial na Itália

Patricia Kondo já está em Treviso e vai representar o Brasil neste domingo 

ACE estimula oportunidades qualificadas de novos negócios

Feiccad é um momento de muito networking todos os anos para os associados, que ganham quinta a Uniace

A arte de Ricardo Colombera entra na linha no Complexo Fepasa

Tatuador famoso em Jundiaí faz sua estreia como artista plástico

Jundiahy, uma das primeiras cidades brasileiras

Por José Arnaldo de Oliveira
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.