Jundiaqui
Jundiaqui

A seleção de Tite está definida faz tempo

Jundiaqui
14 de maio de 2018
Por Marcel Capretz

A segunda-feira (14) foi agitada por conta da convocação da seleção brasileira para a Copa. Agitação essa criada por algumas dúvidas que no frigir dos ovos pouca relevância efetiva terá durante o Mundial. O terceiro goleiro, o quarto zagueiro (na ordem de preferência) e o quinto atacante dificilmente terão um papel ao menos de coadjuvantes ao longo dos sete jogos, ou quantos o Brasil disputar na Rússia.

A questão chave é que Tite já tem um time. Uma ideia de futebol. Um modelo de jogo. Que, claro, precisam de ajustes.

O conceito de time no futebol é obviamente sempre coletivo. Se cada jogador responder de um jeito aos problemas do jogo não temos um time. E o trabalho em seleções se torna difícil neste aspecto pelo pouco tempo de treino e a grande distância entre os jogos. Não é simples criar uma identidade própria de jogo reunindo uma vez por mês atletas que vem de diferentes escolas do mundo. Sem falar que Tite pegou a equipe de Dunga no meio das Eliminatórias, pressionado e fora da zona de classificação para a Copa.

Por conta disso, amenizo a falta de excelência do Brasil em alguns momentos do jogo. Por exemplo, quando temos que atacar e enfrentamos defesas bem compactas temos dificuldades em quebrar linhas e gerar superioridade numérica. A nossa transição defensiva também não está bem sincronizada no 'perde-pressiona' que Tite tanto gosta.

São ajustes finos, mas que fazem com que eu não coloque o Brasil como o grande favorito para levar o Mundial. Assim como em 1994 e 2002 também havia outras seleções com trabalhos mais consolidados e foi a brasileira que levou o caneco. O tempo de preparação e a excelente comissão técnica de Tite podem fazer a seleção evoluir na execução das ideias e até criar alternativas de jogo que hoje nem existem.

E Tite tem o principal: suas habilidades comportamentais. Em uma Copa, em que as emoções se afloram tanto, isso pode ser decisivo. Internamente, criando um ambiente prazeroso para os jogadores e externamente na imagem carismática que o povo brasileira nutre por ele.

A convocação que realmente importa, que são os titulares e os reservas imediatos já estava pronta, testada e definida. A Copa do Mundo começou faz tempo para a seleção brasileira.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

O bom ingrediente

Pelo chef Manoel Alves Filho

Sexta-feira 13 com punk rock

Cólera e Inocentes vêm a Jundiaí, um com novos sons e outro com resgate histórico

Confeiteiro bissexto

Por Manuel Alves Filho

O que falar do esporte!?

Por Luis Cláudio Tarallo
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.