Jundiaqui
Jundiaqui

Sem arbitro de vídeo no Brasileirão. E alguém achava que teríamos?

Jundiaqui
6 de fevereiro de 2018
Rafael Porcari



Era bola cantada: a CBF não queria o árbitro de vídeo no Brasileirão (na verdade, NUNCA QUIS).

Quando Marco Polo Del Nero criou o “Departamento de Desenvolvimento de Árbitro de Vídeo” e realocou Sérgio Correa da Silva, o ex-chefão do apito, para presidir essa nova seção, era visível que não queria perder seu homem de confiança que estava na Comissão de Árbitros até aquele momento. Trouxe então o Cel Marcos Marinho, outro braço direito dele, para mandar na arbitragem nacional, e assim poder ter o controle dos rumos da categoria (que é totalmente submissa à CBF, embora ela não reconheça os árbitros como funcionários).

A verdade é: há dois anos a CBF diz ser pioneira na idealização do árbitro de vídeo, prometeu por inúmeras vezes colocá-lo na ativa e fez isso para tergiversar outros problemas que realmente deveriam ser discutidos.

Agora, ao propor que os clubes arcassem com as despesas do árbitro de vídeo, era lógico que teria a negativa das agremiações. E foi isso o que aconteceu: pelas enésima vez, adiou-se o árbitro de vídeo!

Quem acompanha minhas postagens está cansado de saber: a cada anúncio de VAR  (sigla em inglês de video assistant referee), dizemos que é mentira. E, de fato, tem sido.

Rafael Porcari é professor, comentarista esportivo e consultor sobre arbitragem. Veja mais em seu blog

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Ao mestre Inos Corradin, com carinho

“O Equilibrista” ganha lugar que merece, em destaque, no Parque da Cidade

Livro colaborativo une artistas de quadrinhos em campanha

“Revista Japi” com o tema “tudo é finito” se abre para apoiadores na internet

Livro emociona com a riquíssima história de Jundiahy

Por José Arnaldo de Oliveira

Quatro brasileiros na arbitragem da Copa da Rússia

Por Rafael Porcari
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.