Jundiaqui
Jundiaqui

Tempo de trabalho e organização ofensiva

Jundiaqui
25 de julho de 2018
Por Marcel Capretz

O futebol brasileiro retornou após a pausa da Copa do Mundo e não consegui ver muita coisa diferente do que vinha acontecendo antes. É claro que eu não esperava ver, por exemplo, um jogo de posição executado brilhantemente como o do Barcelona de Guardiola. Até porque ideias complexas levam anos para serem bem entendidas e bem executadas. Porém, no fundo eu tinha uma esperança de ver algo mais elaborado, principalmente em termos de organização ofensiva que é hoje o maior desafio dos técnicos brasileiros. Até aqui me decepcionei.

Tenho em mente que pela lógica básica do jogo de futebol é muito mais fácil defender do que atacar. Para simplificar, uma equipe pode ter quase cem ações ofensivas e terminar o jogo sem marcar nenhum gol, ou no máximo marcar dois, três gols. Ou seja, a defesa se sobressai quase sempre em mais de noventa por cento das oportunidades. Por essa evidente dificuldade, os conceitos ofensivos devem ser muito bem trabalhados. Mas aqui no Brasil ainda vemos muitos treinadores usaram o fraco e simples expediente de 'deixar o talento decidir'.

Com mais de um mês sem jogos oficiais, com os jogadores mentalmente frescos, era a oportunidade ideal dos treinadores buscarem evoluir no jogo com a posse de bola. Reconheço que melhoramos aqui no cenário nacional em conceitos defensivos. Hoje no Brasil as equipes marcam de maneira muito mais compacta, organizada e conceitual. Mas precisamos evoluir no que mais importa, que é no momento que nosso time tem a posse de bola.

O coletivo deve potencializar o indivíduo. Para atacar bem é necessário ter boas ideias. Há diferentes formas de atacar no futebol: ataque direto, ataque posicional, contra-ataque... em todos eles há conceitos por trás: ultrapassagem, profundidade, amplitude, apoio etc. Passou da hora de os nossos profissionais mostrarem mais resultados ofensivos. Capacidade e conhecimento metodológico eles têm. O próximo passo é a operacionalização. O pretexto de que não houve tempo de trabalho não cola dessa vez.

Marcel Capretz é jornalista esportivo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Plástico gera polêmica na Câmara de Jundiaí

Por José Arnaldo de Oliveira

TVTEC abre inscrição para 60 vagas em três cursos na segunda

As ofertas são para formar assistentes de produção e editor de vídeos para redes sociais

Todas as cores desta cidade

JundiAqui traz dezenas de fotos de Maria Fernanda Cerioni na Parada LGBT

Virado à Paulista, agora um patrimônio histórico e cultural

Pelo chef Manuel Alves Filho
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.