Jundiaqui
Jundiaqui

Rota do Vinho estreia com brindes, é claro

Jundiaqui
3 de março de 2018
Festa com degustação da bebida marca lançamento do novo projeto turístico de Jundiaí

Edu Cerioni

O lançamento da Rota do Vinho de Jundiaí coincide com um importante momento: a liberação pelo Ministério da Agricultura para o registro de uma nova bebida feita aqui, o Espumante Niagara. E ele, mesmo em produção experimental, foi aprovado por dezenas de pessoas na noite desta sexta-feira (21) no Sesc Jundiaí.

"Se preparem gaúchos, que o vinho de Jundiaí pede passagem", disse Eduardo Alvarez ao final de seu discurso, que agradou aos produtores de vinho da cidade. "Agora são seis rotas e queremos que os turistas venham e fiquem mais tempo aqui, girando mais dinheiro", falou o gestor de Agronegócios e Turismo, para alegria do pessoal das adegas, de hotéis e outros.

A Rota do Vinho nasce reunindo 21 adegas, que se junta às rotas da Uva, Terra Nova, Traviú, Castanho e Centro Histórico.

O primeiro passo foi apresentar um site e agora virão ações para atrair mais paulistanos e o pessoal de outros estados que até hoje veem Jundiaí como Terra da Uva mas que buscam por São Roque quando querem vinho.



"Vamos impulsionar o enoturismo. Nossos vinhos todos têm registro e, mais que isso, uma história em alguns casos centenária. O que vamos fazer é anunciar isso aos amantes do bom vinho",  explica Amarildo Martins, da AVA - Cooperativa Agrícola dos Produtores de Vinho Artesanal.A enóloga Ariana Sgarioni assegura que o vinho de Jundiaí tem uma ótima qualidade. Ela comandou a degustação no saguão do Sesc, que foi subindo de volume e de risos com o passar dos garçons.Com preço médio de R$ 20,00 a garrafa de 750 ml, segundo Martins mais em conta do que em São Roque, a expectativa é grande. "Tentamos fazer cada vez melhor para nós e também para quem compra", resumiu Rafael Sibinel, o veterano da turma.Aos 87 anos, foi saudado por todos. Foi junto com o filho Ricardo, que vem assumindo a produção e modernizando os processos. "Já fiz minha parte, desde 1940 produzimos vinho. Antes era mais no 'olhômetro',  na base do que a gente aprendeu com pai e avô. Agora, tem orientação de profissionais, tonéis de inox e outras inovações, mas o desafio é o mesmo: não perder o sabor e a qualidade". A Adega Sibinel produz cerca de 10 mil litros ao ano.

Com a certeza de que a Rota do Vinho nasce forte, Vera Vendramin, produtora do Caxambu, diz que Jundiaí tem condições totais de se estabelecer nesse competitivo mercado nacional do vinho.

A ausência sentida foi a do prefeito Luiz Fernando Machado.

Veja fotos: Fotos: Edu Cerioni

Leia também:

Jundiaí lança Rota do Vinho nesta sexta, com 21 adegas

Renê Tomasetto relembra luta por reconhecimento do nosso vinho

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Marcelo Gragnani morre aos 53 anos em Cerquilho

Ele se apresentou no Chacrinha e inspirou o irmão Rudy a imitar Elvis Presley. Mas fez história nas quadras de basquete

Crônica da Cozinha – O quintal lá de casa

Por Manuel Alves Filho

Por José Renato Forner

Trabalho sob fogo

Por José Arnaldo de Oliveira
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.