Jundiaqui
Jundiaqui

Uva simboliza cidade sustentável em Jundiaí, diz Alvarez

Jundiaqui
19 de janeiro de 2018
Para o principal coordenador da Festa da Uva poucas cidades desse porte conseguiram esse equilíbrio

O principal coordenador da Festa da Uva, Eduardo Alvarez, afirmou que o surgimento da Niagara Rosada que deu origem ao evento marcou em plena fase de industrialização da cidade o símbolo de um modelo correto de desenvolvimento que busca uma cidade mais sustentável.

“Poucas cidades desse porte conseguiram esse equilíbrio”, acrescentou ao lembrar que ao lado da tradição o agronegócio se modernizou com tecnologias do século 21. E destacou que continuam avançando processos como de identificação geográfica, usada em diversos países, para valorizar ainda mais a origem dessa uva na região.

Ele aponta a evolução da festa como uma cooperação entre os diversos setores de governo e também da própria comunidade.

“Apesar de vivermos uma fase de muitas dificuldades avançamos em parcerias e esperamos novos avanços neste ano, como no trabalho conjunto com a educação para difundirmos a valorização do consumo de produtos locais”.

Outros pontos citados são inovações nas rotas turísticas (e sua ampliação) e serviços (como inspeção municipal ou selo de qualidade nas feiras). Ele acredita que ao lado das prioridades em saúde, educação e segurança a cidade tem uma força na busca da qualidade de vida – e isso envolve seus governos, como atualmente nas mãos do prefeito Luiz Fernando Machado.

Embora não tenha citado diretamente o tema, Eduardo Alvarez é apontado na função de gestor de agricultura, abastecimento e turismo como principal interlocutor do debate sobre um futuro pagamento de serviços ambientais a agricultores por seu colega Sinésio Scarabello Filho, gestor de planejamento e meio ambiente.

“Temos aqui perto o caso de Louveira, que conseguiu criar um programa de remuneração da fruticultura e outro para serviços ambientais. Mas o PIB per capita deles é bem maior que o nosso, teríamos que adaptar isso”, comenta Sinésio, que coordena o debate da conservação da zona rural no Plano Diretor e aponta prioridade atual para o controle sobre loteamentos clandestinos.

São questões de fundo. Em primeiro plano, está o fato de que a festa proporciona um reencontro da cidade consigo mesma – o que, para visitantes de outros lugares, é um encanto para os sentidos do visual, do sabor, dos sons, das texturas e dos aromas.

Por José Arnaldo de Oliveira

LEIA TAMBÉM
Festa da Uva vai de Trio em Transe, Funk’s Natra, Rudy, Telminha…
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Flávio Ceolin

Guaraci Alvarenga escreve sobre a morte, dia 28, do ex-vereador e vice-prefeito, que presidiu a Associação Agrícola

Domingo tem almoço beneficente para a Casa Transitória

Convites estão à venda por R$ 35,00. Vai ser no salão de festas da Igreja da Roseira

A carta que não enviei

Por Guaraci Alvarenga

Filhos da Caserna

Por Guaraci Alvarenga
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.