Jundiaqui
Jundiaqui

Celular foi rastreado, mas corpo segue debaixo da lama

Jundiaqui
12 de abril de 2019
Jundiaiense é uma das 65 pessoas que seguem desaparecidas em Brumadinho



"O celular dele foi rastreado e localizado na profundidade da lama, mas ainda não se conseguiu tirar o corpo".

A frase de Silvia Helena, mãe de Luis Felipe Alves, mostra bem que a esperança não é mais para que se encontre o jundiaiense com vida após a tragédia de Brumadinho, mas que se tenha um corpo para enterrar dignamente.

Depois de 78 dias do desabamento da barragem (em 25 de janeiro), a Defesa Civil de Minas Gerais diz que são 225 as mortes confirmadas no desastre da Vale do Rio Doce, sendo que 68 pessoas continuam desaparecidas, entre elas o engenheiro que será lembrado neste sábado (13) em sua cidade natal.

Silvia não foi a Brumadinho, optou por não ver o mar de lama que a cidade na região metropolitana de Belo Horizonte se transformou. Já o pai de Luis,  João Miguel, e o irmão, João Augusto, foram para lá e ficaram vários dias tentando ajudar nas buscas, tudo em vão.

A procura pelos desaparecidos prossegue e mobiliza nos últimos dias cerca de 130 bombeiros em mais de vinte frentes de trabalho e com cem máquinas pesadas ajudando na remoção de terra, lama e entulhos.

Foto: reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Terra da bondade

Por Guaraci Alvarenga

Democracia

Por Douglas Mondo

Uma jornada dedicada ao bem-estar no Koh Samui neste sábado

HarmonizaMente tem yoga, quick massage e até aula de culinária tailandesa com Tom Nando

Agora a Coopercica te manda as ofertas do dia pelo WhatsApp

Você se inscreve pelo 95656-5108 e vai saber de todas as promoções pelo celular
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.