Jundiaqui
Jundiaqui

Dom Vicente e a 55ª Assembleia Geral da CNBB

Jundiaqui
1 de junho de 2017
“Este homem é um instrumento que escolhi para levar o meu nome a todas as nações” (cf. At 9,15)



Prezados irmãos da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

Foi com o relato da conversão de São Paulo, segundo At 9,1-20, proclamada na Liturgia da Palavra da celebração eucarística, que se encerrou a 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos (CNBB), realizada em Aparecida (SP), nos dias 26 de abril a 5 de maio deste ano.

Na sua homilia, Dom Sérgio da Rocha, Cardeal Arcebispo de Brasília e Presidente da CNBB, salientou a centralidade do encontro da Pessoa de Jesus Cristo Vivo e Ressuscitado na vida de Paulo. Caído no chão e sem nada enxergar, Paulo pergunta: “Quem és tu, Senhor?”, ouvindo como resposta: “Eu sou Jesus, a quem tu estás perseguindo” (At 9,5). Paulo precisou da intervenção do discípulo de Jesus, Ananias, para confirmar a sua conversão ao Senhor, sendo por ele batizado. Para São Paulo, o Batismo significou a abertura para uma nova visão de vida e uma completa mudança de vida, pois, a partir daquele momento, Paulo tornou-se o grande e apaixonado discípulo missionário do Senhor Jesus.

O Tema Central da última Assembleia Geral foi: Iniciação à Vida Cristã. A partir do encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo, o cristão é chamado a iniciar um caminho que nunca termina. Pela recepção dos três Sacramentos da Iniciação à vida Cristã (Batismo, Confirmação e Eucaristia), nos tornamos “criaturas novas em Jesus Cristo” (cf. 2Cor 5,17), testemunhando-o, com amor autêntico e ardor missionário em cada momento de nossa vida, e alimentando-nos com seu Corpo e Sangue. Deste modo, estes três Sacramentos, recebidos, vividos e assumidos em inspiração catecumenal, introduzem o cristão no mistério de Cristo e na vida da Igreja, através da Palavra de Deus e da vivência da Sagrada Liturgia, num processo integral − envolve todas as dimensões da vida; querigmático − fruto da proclamação de Jesus Cristo como Salvador, que leva a uma verdadeira conversão; e permanente − ao longo de toda a vida cristã.

Providencialmente, também na Diocese de Jundiaí, iniciou-se um processo de elaboração das Normas e Diretrizes Diocesanas para a Preparação e Recepção dos Sacramentos da Iniciação à Vida Cristã. Certamente, o documento a ser publicado, em breve, pela CNBB, sobre o Tema Central da última Assembleia Geral em muito ajudará na revitalização da nossa ação evangelizadora.

Durante os dez dias da Assembleia Geral, com a participação de mais de 350 Bispos, Assessores e vários convidados, outros assuntos importantes foram objeto da reflexão dos nossos Bispos. Dentro do enfoque estritamente eclesial, isto é, visando à vida da própria comunidade eclesial, foram abordados, entre outros, os seguintes temas: Mensagem por ocasião do Ano Mariano Nacional; Liturgia e participação; Ministros da Palavra; A Celebração da Palavra de Deus e Associações de Fiéis, Movimentos Eclesiais e Novas Comunidades. Doutro lado, porém, sendo a Igreja chamada a ser “sal da terra e luz do mundo” (cf. Mt 5,13-14), foram aprofundados temas de vital importância para o momento difícil que atravessa o Brasil nos dias de hoje, tais como: Mensagem da CNBB aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil e Análise de Conjuntura Político-Social: “Pensando o Brasil” – Educação. Foi publicada também uma Nota sobre o grave momento nacional (confira a íntegra desta Nota na página 5).

Queridos irmãos diocesanos: outro momento muito importante vivido pelos Bispos do Brasil, na sua última Assembleia, foi o Retiro Espiritual pregado pelo monge trapista, Dom Bernardo Bonowitz. Foram também muito marcantes a visita e o relato feito por Dom Kyrillos William Samaan, Bispo copta egípcio, sobre as perseguições contra os cristãos daquele país; a celebração ecumênica por ocasião dos 500 anos da Reforma Luterana; o relato do Cardeal Cláudio Hummes, OFM, Presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia sobre os grandes desafios que a Igreja do Brasil enfrenta naquela imensa região.

Muitas decisões importantes foram tomadas, as quais atingirão de perto a vida da Igreja no país, como por exemplo: a realização do 18º Congresso Eucarístico Nacional a ser realizado na Arquidiocese de Olinda e Recife (PE) – 12 a 15 de novembro de 2020-; a continuação do “Projeto Comunhão e Partilha”, por mais cinco anos, do Fundo de Solidariedade, destinando 1% da renda ordinária fixa de cada Diocese para a manutenção das Casas de Formação e de seminaristas das Dioceses mais pobres do país; a coleta a ser feita em cada Diocese para a reforma da sede da CNBB, em Brasília (DF); o compromisso que as Dioceses do Brasil devem assumir em relação às publicações das Edições CNBB, particularmente o subsídio: Igreja em Oração. Nossa Missa no dia a dia, visando à manutenção deste organismo tão importante para a nossa Igreja.

“Confirma os teus irmãos” (Lc 22,32c). Assim Jesus exortava Pedro, antes de sua Paixão. A 55ª Assembleia Geral da CNBB, mais do que um encontro formal das principais lideranças das 276 Igrejas particulares espalhadas por este imenso Brasil, serviu, em primeiro lugar, para que nossos Pastores continuem zelosos e diligentes em sua missão, testemunhando e confirmando a fé do rebanho de Jesus, o Bom Pastor, confiado aos seus cuidados. Assim a Igreja do Brasil poderá ser cada vez mais acolhedora, samaritana, misericordiosa, discípula missionária do seu Mestre.

Queridos irmãos diocesanos: esta Assembleia, realizada uma vez mais na “Casa da Mãe”, em Aparecida, foi particularmente marcada pela comemoração dos 300 anos do Encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida, dentro do Ano Mariano Nacional lançado pela CNBB (12 de outubro de 2016 a 11 de outubro de 2017). No final da Assembleia Geral cada Bispo recebeu uma imagem fac-símile de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Confeccionada em madeira de oliveira – árvore tão característica da Terra Santa − pelos cristãos da Palestina, que já se encontram em minoria em sua região e que sofrem muitas perseguições, a imagem é acompanhada por um manto bordado pela “Casa do Pequeno”, obra social mantida pelo Santuário Nacional de Aparecida.

Que Maria, perfeita discípula missionária de Jesus Cristo, que disse aos servos das Bodas de Caná: “Fazei tudo o que ele vos disser” (Jo 2,5b), interceda pelos Bispos do Brasil, a fim de ser realizado tudo aquilo que foi discutido e decidido na 55ª Assembleia Geral da CNBB.

E a todos abençoo.

Dom Vicente Costa
Bispo Diocesano
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Quartetto di Venezia volta a Jundiaí neste sábado

Instrumentistas estiveram aqui em 2015 e têm apresentação no Polytheama por R$ 10,00

Maria dos Pacotes: o mito vive

Carlota Edith Barbieri, uma pequena e frágil mulher, adotou um estilo de vida que assustava muita gente

Pinacoteca tem mostras de Fellipe Eloy e Lucas Souza

São duas diferentes exposições em cartaz

Roberto Franco Bueno lança livro que começou a escrever em 1957

Arquiteto e um dois principais historiadores de Jundiaí traz seu olhar sobre os últimos 200 anos da cidade
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.