Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaí afrobrasileira se revela em diversos atos agora em novembro

Jundiaqui
9 de novembro de 2019
Ponto alto é a Marcha da Consciência Negra, no feriado municipal do dia 20

José Arnaldo de Oliveira

Com uma imagem forte na presença italiana consolidada nos anos 1900, a cidade de Jundiaí tem uma rica história ligada aos povos africanos desde o final dos anos 1600. E o assunto é destaque agora em novembro.

A Marcha da Consciência Negra, no feriado municipal do dia 20, é um dos principais eventos e, segundo Marlene Alves da Costa, tem como tema deste ano a raça, a cor e a etnia. “Mais de metade dos brasileiros se identificam hoje em dia como negros”, destaca. A saída é às 9h30, em frente à Câmara.

A Orquestra de Berimbaus do Morro do Querosene toca gratuitamente neste sábado (8), às 20h, no Sesc. No mesmo Sesc, no dia 17, às 17h30, tem Renata Jambeiro e Jamelão Neto. No dia 20, às 16h, a apresentação é da dança do Sons D'Oeste da África e no mesmo dia às 18h os sul-africanos do Young Mbazo (este a R$ 30).

E tem ainda um passeio por territórios africanos do Centro no dia 24, orientado por Alexandre de Oliveira com inspirações de apoio nos dez anos do site www.jundiahy.com.br como do Largo do Pelourinho.

Os eventos de blocos e escolas de samba também seguem crescendo. Como no Bloco Afro Kekerê, que no dia 3 já marcou o Domingo no Parque com presença das rainhas do Encontrafro organizado pelo PretaEu. Tem roda de samba no Estrela da Ponte, tem som black no Ibiza, tem muita coisa. Inclusive o Batuque do Bem da Uniterreiros no domingo (10), a partir das 13h no Complexo Fepasa.

O Clube 28 de Setembro, que comemora seus 124 anos e é patrimônio cultural imaterial da cidade, também instalou sua placa do circuito da Rota Turística do Centro Histórico.

Jundiaí também teve escravidão, massacre de quilombo, lutas pela liberdade humana. Tem rua da Abolição, rua 13 de Maio, rua José do Patrocínio, rua Princesa Isabel... tem cota em concurso público, feriado da consciência, representantes da Central Única das Favelas ou da Universidade Zumbi de Palmares.

Veja fotos da Marcha de 2018
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Carlos Zaik espalha a semente do cinema entre os jovens

Ele comanda o projeto “Câmera na Mão” em Jundiaí, selecionado pelo Proac

Jundiaí inverte proporção de empregos de alta tecnologia

Por José Arnaldo de Oliveira

O valor de saber cozinhar

Pelo chef Manoel Alves Filho

“O Trenzinho do Caipira” fecha ano da Orquestra Municipal

Concerto no Teatro Polytheama é gratuito neste sábado à noite
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.