Jundiaqui
Jundiaqui

Justiça vai levar 6 meses para trazer 9,5 milhões de processos a Jundiaí

Jundiaqui
15 de maio de 2019
Isso se conseguir a transferência do Arquivo do Ipiranga para a cidade de 8 mil volumes ao dia

Há anos o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) planejava uma ação que trouxesse economia no arquivamento dos processos acumulados durante séculos. Nesta terça-feira (14), começou a transferência de seu acervo do Arquivo do Ipiranga, na Capital, para Jundiaí. Uma ação que envolve trazer 9,5 milhões de volumes, que vão encher com papelada 8 mil caixas por dia durante os próximos seis meses. O nome? "Operação Jundiaí".

O gasto atual para guardar as caixas é de R$ 16 milhões, valor que vai cair pela metade aqui na cidade, onde os processos ficarão sob a responsabilidade da empresa especializada na prestação de serviços de armazenamento, guarda e gerenciamento informatizado Iron Mountain, que fica na avenida João Antonio Meccatti, no Retiro.

Em Jundiaí e também parte em Jarinu, já estão outros quase cem milhões de processos referentes às comarcas do Interior.

Os processos estão todos impressos - não são digitalizados - e ficam armazenados em caixas de papelão enfileirados em estantes gigantes de dois galpões no Ipiranga, a maioria relacionada a Varas da Família.

Diariamente, são analisados 1,2 mil processos, triagem feita por estagiários, para dar início a sua eliminação, trâmite que envolve publicação no "Diário da Justiça" para que as partes se manifestem sobre o interesse de retirar ou não os volumes. Caso não haja manifestação em até 45 dias, acabam triturados. Entre janeiro e março deste ano, por exemplo, foram descartados 30 mil, sendo que somente 800 outros tiveram requisição por interessados. Se de um lado há eliminação, de outro ocorre diariamente a chegada de novos processos.

Existe ainda uma norma do Tribunal conhecida como "temporalidade", que determina que nenhum processo anterior a 1940 seja descartado. Há também pelo menos 50 mil itens de guarda permanente por seu cunho histórico.

 

Alguns processos estão em estado de deterioração em função do tempo. É o caso do mais antigo de todos: o testamento do padre Marcelo de Almeida Ramos, de 1767.

 

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Sexta Santa tem passeata silenciosa em Jundiaí para pedir paz ao mundo

Chamada de “Silenciata”, vai percorrer ruas do Centro a partir das 10 horas

Curta da Legatun é Jundiaí na telona do Maxi

Filme feito na cidade terá exibição sábado e domingo às 10h30, com entrada gratuita

DIA DA MALDADE

Como hoje é sexta-feira, tem aquela provocação deliciosa do chef Manuel Alves Filho

Entre parênteses amigos

Por Valquíria Malagoli
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.