Jundiaqui
Jundiaqui

Um é Rolando e outro Francisco, mas pode chamar de Paipai Noel

Jundiaqui
18 de dezembro de 2018
Eles estão habituados em fazer as vezes do bom velhinho, mas garantem que a cada ano é uma nova emoção

Glaucia Mazzei

Um fica no Cenário Encantado montado pela Associação Comercial Empresarial de Jundiaí (ACE Jundiaí) na Praça Governador Pedro de Toledo, em frente à Catedral. O outro está percorrendo bairros da cidade no Caminhão Encantado. Juntos, Rolando Carlos Caron, 66, e Francisco Luiz de Menezes Silva, 60, estão emocionando crianças e adultos como Papai Noel.

Rolando, o Papai Noel do Centro, assumiu o personagem pela primeira vez em 1982, para alegrar a confraternização da empresa onde trabalhava. Em 1985, a pedido de um colega, vestiu a roupa vermelha novamente e foi distribuir balas para as crianças do Jardim Novo Horizonte.

Nos anos seguintes fez algumas ações sociais como voluntário e desde 2013 aproveita o período de Natal para conseguir uma renda extra como Papai Noel. Já trabalhou no Shopping Paineiras, Astra e desde o início deste mês fica no Cenário Encantado das 14h às 21 durante até sexta, e das 9h às 16h no sábado, domingo e segunda (24).

Entre fotos, beijos e abraços, recebe também vários pedidos. “Meninas pedem aquela boneca Lol ou a Barbie. Já os mesmo pedem muito celular, tablete ou carrinho de controle remoto.” Mas o desejo das crianças vai além dos brinquedos. “Algumas só querem tirar foto, outras se entregam e fazem questão de me abraçar e beijar.”

Este carinho das crianças é o que mais emociona Francisco, o Papai Noel do Caminhão Encantado da ACE. “O amor que a gente recebe é sincero”, diz.

Francisco vestiu a roupa vermelha pela primeira vez em 2010, a convite do padrinho de casamento, Aristides Pretti, que também trabalha como Papai Noel há vários anos no Maxi Shopping e já não dava mais conta de atender a todos os trabalhos. “No ano seguinte decidi trabalhar como Papai Noel e fiquei em um shopping em Campinas.”

Logo no primeiro ano deparou-se com uma emocionante história, uma das mais marcantes de sua vida. Recebeu a cartinha de uma menina que pediu uma casinha da Barbie. Ela contava, na carta, que naquele ano não ganharia presente porque o pai havia abandonado a família após descobrir que a esposa estava com câncer. Após a mobilização do Papai Noel e de um segurança do shopping, Noel Francisco conseguiu entregar a boneca, cesta básica e dinheiro para a família pagar as contas atrasadas. “Quando cheguei na casa da garotinha, a mãe estava no portão, como se estivesse nos esperando. A menina estava lá dentro e tocava 'Ave Maria' no órgão. Não consegui parar de chorar.”

Francisco agora está rodando os bairros no Caminhão da ACE Jundiaí.  Nesta quarta, a partir das 14h, passa pela rua do Retiro, Retira, Vila Alvorada e Vila Esperia e por volta das 19h30 passa pelo Eloy Chaves. Na quinta o percurso é na região do Castanho e Jardim Santa Gertrudes. Neste bairro o Caminhão estaciona às 18h na rua Padre Norberto Mojota, 40.

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Fernanda Souza vem sábado ao Polytheama

“Meu Passado Não Me Condena” vai ter duas sessões, às 18h30 e 21h

Pochet inaugura fábrica em Jundiaí

Empresa fica no Fazenda Grande e contratou 650 funcionários

Rafinha Bastos e Mel Lisboa no mês de dança no Polytheama

Programação do mês vem ainda com Encontro de Corais e a Orquestra Municipal

Dalmo, Eduardo Calasans e Paulo tocam na Feijoada dos Pais

Você é convidado a curtir uma deliciosa feijoada e um som incrível no dia 11 de agosto
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.