Jundiaqui
Jundiaqui

Alma do Japi de Sônia Cintra

Jundiaqui
19 de fevereiro de 2018
"ao longe / a névoa / se desprende / da mata / revelando / um leque / de colinas / mágicas"

Em 2003, em comemoração aos vinte anos do tombamento da Serra do Japi, a escritora e professora Sônia Cintra publicou o livro poético “Cantares do Japi”.

A edição foi da Laser Press, a capa organizada por Araken Martinho, as ilustrações por Inos Corradin e o apoio cultural do Gabinete de Leitura Rui Barbosa.



O publicitário e cronista Erazê Martinho, na contracapa, lembrava que amigos foram privilegiados com a leitura dos originais do livro e que ele falava do "paraíso que recorta o horizonte da cidade de mais lindas tardes ao pôr-do-sol", como canta Dona Haydée Mojola, no Hino de Jundiaí.

No prefácio, o hoje secretário estadual de Educação, José Renato Nalini, apontava a histórica destruição do paraíso da natureza brasileira com uma conduta irracional e, na cidade, a serra era a nossa Montanha Mágica, a muralha que emoldura nossa gente e que se mantém ainda verde e ainda viva, a recordar à humanidade o significado da natureza que se pretendeu eterna.

“Ela clama por socorro. E a voz da poeta Sônia Cintra é o alerta que se inicial frágil e vai crescendo, torna-se grito e brado”.

O livro ainda homenageia o engenheiro agrônomo Antônio Araújo Vieira, então já falecido e pensador de meios de viabilizar a conservação da natureza. Algo que a poeta também fez de maneira seletiva em outros livros, homenageando músicos como aqueles dos Chorões do Japi, e ainda mais nas crônicas, como a que citou os painéis elaborados pelo jornalista e sociólogo José Arnaldo de Oliveira para a Base Ecológica da Serra em 2015.

Em seu "Cantares do Japi", os poemas seguem quase uma ordem cinematográfica. Um dos primeiros chama-se "Parada", e deve ser lido de maneira calma:

"a manhã / estava indecisa / entre sol e chuva / quando a pé / saí de casa / e pela calçada / estreita / atravessei a rua / controlada / pelo semáforo / que multa / entre / pessoas / apressadas / plantei-me / no ponto / d'ônibus"

A cidade, as pessoas e os detalhes cotidianos vão surgindo ao longo das páginas, passando da correria urbana para um bucolismo ainda rural. E conforme a serra vai ficando mais perto também é a natureza que cresce e brilha cada vez mais.

"ao longe / a névoa / se desprende / da mata / revelando / um leque / de colinas / mágicas".

O caminho vai notando também os pequenos detalhes de manifestação de amor de pessoas pela natureza ou de resquícios antigos ou recentes de vida rural. E tudo vai se misturando com a própria identidade da escritora e da comunidade.

"pela borda / estreita / da mata / seguimos / o riacho / costurando / nas pedras / retalhos / de infância"

E a viagem segue caminho com atenção aos detalhes naturais do ambiente como macacos que olham os “turistas” ou aos detalhes humanos como o nome entalhado na casca de angico por “alguém”, ponteando de vez em quando um receio.

"os seixos / rolam / dias e noites / seguidas / nas águas / onde / veados e capivaras / matam a sede / com medo / das espingardas".

A força de cada pequeno poema é intensa. Um trabalho de lapidação. Em outro momento, chamado de "Sinfonia", ela surpreende o improvável.

"a música / do infinito / embala / todas / as folhas / que caem".
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Soufflé au fromage

Por Paulo de Luna

Jovens: sinais de alegria e esperança na Igreja e no mundo

Por Dom Vicente Costa

De brigadeiro a cuscuz, passando por pizzas nos cursos do Maxi

Aprenda a fazer algumas delícias para a Primavera que se aproxima

Sorteio do Maxi: jundiaiense Magda Valéria ganha carro novo

Entre cerca de 75.000 cupons, ela foi sorteada para levar o Equinox Chevrolet
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.