Jundiaqui
Jundiaqui

Elvis Não Morreu! Nem o Picôco Barbaro, nem o Sandro Vaia!

Jundiaqui
28 de março de 2019
Por Vera Vaia

Neste 28 de março está fazendo dois anos que não falo pessoalmente com o Picôco, porque ele resolveu ir pra banda de lá.

Mas mesmo assim, sempre que minha memória falha e quero me lembrar do nome de alguém que conheci no passado, penso em ligar pra ele.

Quem mais além do Picôco pra conhecer uma Jundiaí inteira?

Eu fazia isso sempre. Era só dar uma diquinha, que lá vinha ele com o nome que já estava na ponta da língua. Daí, como uma conversa puxa a outra, acabávamos ficando horas no telefone, com algumas interrupções de um lado ou de outro: péra que vou atender a outra linha! Não sai daí que eu vou desligar o forno! Agora estão tocando a campainha, vou atender e já volto! Xiii, tá acabando minha bateria, já te ligo do fixo... e assim era sempre.

É esse “vício” permanece em mim até hoje. Volta e meia penso em ligar mas daí me lembro que ele não deve ter levado o celular.

O mesmo acontece quando acabo de escrever um post no twitter ou um texto para o site, e procuro o Sandro pra saber a opinião dele.

No próximo dia dois, serão três anos sem ele sentado aqui no sofá ao meu lado, cada um com seu IPad, trocando informações nas redes sociais, com amigos e até com inimigos (inimigos de ideais, digamos assim. Não tenho notícias de inimigos ao pé da letra).

Três anos sem ele ao meu lado assistindo a uma série ou a um bom filme que alugávamos na locadora (ainda existe isso?).

Três anos sem dividirmos o melhor vinho no jantar, sem falarmos da classificação do Palmeiras (sempre em primeirão, claro), ou sobre a quantas anda a malfadada política no Brasil, ou ainda quantas ondas do mar já tínhamos contado durante nossas viagens mensais ao Guarujá, quando sentados na varanda, deixávamos nossos olhos e mentes se perderem naquela imensidão azul.

Dizem que o tempo faz com que a gente se esqueça - ou que pelo menos, a gente se acostume com a ausência - dos que já partiram, mas não dizem quanto tempo isso leva pra acontecer.

Nesse momento, por exemplo, estou saindo à procura do Sandro pela casa, pra ele possa corrigir esse texto pra mim! ❤️

Vera Vaia é jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Picadinho, patrimônio gastronômico

Pelo chef Manuel Alves Filho

Qualidade do treino: fator determinante para o sucesso no futebol

Por Marcel Capretz

E não é que até queijo a Serra do Japi dá?

Ele é produzido em uma fazenda de Cabreúva e combina técnicas suíças e alemãs às nacionais

Natal do Centro é mágico aos olhos da criançada

ACE e CDL se unem para alegrar a temporada de compras de milhares de jundiaienses
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.