Jundiaqui
Jundiaqui

A história de Pituca

Jundiaqui
24 de fevereiro de 2018
Por Nelson Manzatto

Quando nos mudamos para Campinas, um ano após nosso casamento, decidimos que era necessário um animal para fazer companhia num tempo antes da chegada de Tiago. E a escolha foi por uma cachorrinha pequinês que demos o nome de Pituca.

Companheira constante, não ficava em casa quando saíamos de carro, principalmente porque na primeira semana conosco, acabou saindo pelas grades do portão e ficou 12 horas desaparecida.

Por conta de sua raça, Pituca vivia mais dentro de casa do que no quintal, mas quando caminhava por ele, acabava acompanhando o movimento na rua. E quando alguém chegava ao portão, nem precisava tocar a campainha ou bater palma. Pituca se encarregava disso, latindo do portão até a porta da cozinha onde encontra Rita ou eu.

Uma invasão de Tico, um cachorro vira-lata que morava próximo a nós, pelo terreno baldio que havia ao lado de casa, acabou trazendo ao mundo Pingo, de uma ninhada de três cães, mas que só ele sobreviveu. E ele foi ficando com ela, conosco, mas chegou o dia em que tinham de se separar.

Maria Paula, vizinha, recebeu Pingo em sua casa. Mas uma semana depois, ele foi atropelado e acabamos pegando o pequeno cão novamente. Até que Cida, outra vizinha, pediu para ficar com ele, depois que se recuperara do atropelamento. E o cão, que não gostava de gatos, acabou indo morar numa casa onde havia meia dúzia deles. E se deram bem!

Pituca teve nova cria, desta feita não por conta de Tico, mas de um outro vira-lata que usou o mesmo procedimento e nasceram quatro cães que acabamos doando todos: dois machos e duas fêmeas. E Pituca ficou novamente só conosco.

Eram poucas as vezes em que saia às ruas, tomávamos cuidado, pois haviam muitos gatos de muitos moradores que não apreciavam muito cães. Tanto que numa manhã a encontramos morta, perto do portão, porque alguém havia jogado carne envenenada para ela.

Passamos alguns anos sem um cão de companhia, até porque Tiago já estava crescendo e era importante nos dedicarmos a ele. Mas ainda vieram Tobby, Puppy, Catucha e Django. Foram muitas as companhias com estes animais maravilhosos, mas nenhuma tão inesquecível como Pituca, a cachorrinha de uma raça que praticamente desapareceu...

Nelson Manzatto é jornalista e escritor
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Pátria de chuteiras

Por Wagner Ligabó

Autonomia dá trabalho?

Por José Renato Nalini

Mais um dia de medo por conta do Harvey

Por Lucinha Andrade Gomes

Exclusivo: Nos 30 anos União da Vila tem até orquestra na folia

Foi na casa de dona Tica que a escola nasceu em 1988 e ela voltou à quadra neste domingo para festejar a amizade 
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.