Jundiaqui
Jundiaqui

Índios também foram escravos em Jundiahy

Jundiaqui
25 de agosto de 2019
Por Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga

A escravidão foi uma das páginas mais tristes de nossa história. Na atualidade, associamos a escravidão aos negros africanos e seus descendentes, mas também os índios foram vítimas dessa chaga social.

Havia, porém, uma diferença sutil, pouco conhecida: no século XVIII, os índios cativos não eram chamados “escravos”, mas sim “administrados”, porque a Igreja proibia que os naturais da terra fossem escravizados... Como os negros, os índios administrados também podiam ser alforriados.

Para ilustrar essa situação, transcrevemos dois registros de óbitos ocorridos em nossa cidade, o primeiro de 6 de outubro de 1771 (mantida a grafia original):

“(...) faleceo da vida presente Patrício, forro, solteyro, Borórô, com os sacramentos da penitencia e extrema unçam de idade de noventa annos pouco mais ou menos esta sepultado no adro desta igreja, matriz de Jundiahy e fregues dessa freguesia e morador no bairro do Jacarê”.

Já em 11 de janeiro de 1784 consta:

“(...) faleceo da vida presente Ignacio, liberto, solteiro, filho de Antonio Gonsalves, e de sua mulher Gertrudes de Brito, carijos forros, moradores no bairro do rio abaixo(...)”.

Note-se que são mencionadas as “tribos” a que pertenciam os falecidos: Bororos, originários do Mato Grosso, e Carijós, que originalmente eram encontrados do sul do estado de São Paulo até o Rio Grande do Sul.

A figura do Bororo é de autoria de Hercules Florence, pintor francês que participou da Expedição Langsdorff à Amazônia (1825 - 1829).

Infelizmente cremos que não será possível saber mais da vida de Patrício e Ignácio.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

A partir de terça tem brincadeiras no Sesc

  Programação vai até 2 de junho com exposição de álbuns de famílias de Jundiaí

Maxi tem Feira do Livro

Contação de histórias com música e oficinas marcam os finais de semana

Coral do 28 de Setembro dá show de MPB e canções africanas

Regente é Mil Taroba, cantor e professor de música, com ensaios todas as quintas

Rita Cerioni inova e faz sucesso com diálogo entre psicologia e música

“Psiquê em Música” ajuda a traduzir as dores da alma; procura abre nova apresentação em setembro
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.