Jundiaqui
Jundiaqui

Jânio proibiu o rock! E nossos vereadores aplaudiram…

Jundiaqui
29 de outubro de 2017
Por Vivaldo José Breternitz

Jânio Quadros era um lunático, para dizer o mínimo, mas como tantos outros doidos e bandidos, acabou chegando à Presidência da República, à qual renunciou em 1961 alguns meses depois de assumir, dizendo estar impedido de governar por umas certas "forças terríveis". Alguns dizem que se o Engov já tivesse sido inventado naquela época a história seria diferente, pois Jânio gostava muito de tomar "umas e todas"...

No exercício do Poder, Jânio tomou uma série de medidas absurdas, como a proibição dos biquínis, a adoção do safári como uma espécie de uniforme do funcionalismo e outras. Antes da presidência, Jânio foi governador de São Paulo e, nesse cargo, proibiu o rock.

A Câmara Municipal de Jundiaí teve alguns discípulos, como o vereador Carlos Gomes Ribeiro, que em 1957 requereu e viu aprovado um "voto de regosijo e louvor" a essa medida, declarando o rock "atestado vivo do despudor, da indecência e do desrespeito". O texto do requerimento está ao final deste post.

Se estivesse vivo (faleceu em 2004) o que diria o vereador acerca dos tempos atuais?

Quanto a Jânio, o povo tem memória curta: foi eleito prefeito de São Paulo em 1986. Faleceu em 1992.



Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Samba, suor e lágrimas de emoção no Bar Natura

Quando Tom Nando assume o microfone, a noite de domingo se transforma em uma festa

Ela chegou e não vai mais embora

Por José Renato Nalini

Fernando Anitelli e Milionário & Marciano em março no Polytheama

Mês começa com Cia. Barbixas de Humor nesta sexta-feira

Dona Gemma

Por Nelson Manzatto
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.