Jundiaqui
Jundiaqui

Jânio proibiu o rock! E nossos vereadores aplaudiram…

Jundiaqui
29 de outubro de 2017
Por Vivaldo José Breternitz

Jânio Quadros era um lunático, para dizer o mínimo, mas como tantos outros doidos e bandidos, acabou chegando à Presidência da República, à qual renunciou em 1961 alguns meses depois de assumir, dizendo estar impedido de governar por umas certas "forças terríveis". Alguns dizem que se o Engov já tivesse sido inventado naquela época a história seria diferente, pois Jânio gostava muito de tomar "umas e todas"...

No exercício do Poder, Jânio tomou uma série de medidas absurdas, como a proibição dos biquínis, a adoção do safári como uma espécie de uniforme do funcionalismo e outras. Antes da presidência, Jânio foi governador de São Paulo e, nesse cargo, proibiu o rock.

A Câmara Municipal de Jundiaí teve alguns discípulos, como o vereador Carlos Gomes Ribeiro, que em 1957 requereu e viu aprovado um "voto de regosijo e louvor" a essa medida, declarando o rock "atestado vivo do despudor, da indecência e do desrespeito". O texto do requerimento está ao final deste post.

Se estivesse vivo (faleceu em 2004) o que diria o vereador acerca dos tempos atuais?

Quanto a Jânio, o povo tem memória curta: foi eleito prefeito de São Paulo em 1986. Faleceu em 1992.



Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Gianlucca Mauad está no filme sobre Edir Macedo

O garoto de Jundiaí será Moysés, filho do pastor, no primeiro episódio da trilogia

O ponto

Um ponto final significaria o fim de tudo ou seria só um acidente de digitação, pergunta Cláudia Bergamasco

Wet’n Wild confirma sétima edição do seu Réveillon

Por Márcio Miguel

Marco Luque vem testar seu senso de humor

Comediante traz o show “1, 2, 3… Testando” na noite deste domingo
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.