Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaí 364 anos

Jundiaqui
14 de dezembro de 2019
Por Guaraci Alvarenga

“O que a Jundiaí se der, será tudo somente restituição”

A cidade se orgulha de seus habitantes. Nestas terras santas é livre a nossa capacidade de buscar a felicidade à nossa própria maneira.

“O fato é que a antiga Freguesia de Nossa Senhora do Desterro de Jundiahy iniciou-se próxima ao rio e, com a chegada da Rafael de Oliveira, sua mulher Petronilha Rodrigues Antunes e filhos, em 1615, prosperou desde o início de sua formação em virtude de construir ponto de apoio para as expedições que se dirigiam aos sertões, que, aí, se abasteciam de gêneros produzidos pelos seus habitantes”. (IBGE-cidades)

Bastava um olhar atento sobre as duas riquezas cativantes que sempre marcaram seu território: a beleza da  Serra do Japi, uma das grandes áreas de mata atlântica nativa, e o provocante acolhimento afetuoso de sua gente hospitaleira.

Assim nasceu a querida Jundiaí. De lá para cá, a cidade prosperou em marcha contínua. Todos os seus mandatários souberam cuidar com atenção redobrada do seu futuro, principalmente os prefeitos, que cada um, com administrações especificas, conduziu o município como um dos mais saudáveis nos tempos modernos.

Deslumbra-se a olhos vistos a conquista das vantagens de uma metrópole sem perder, no entanto, a vigilante guarda no seu seio das virtudes de uma província.

Esforço, trabalho e abnegação de comunidades, transformam cada canto desta cidade num lugar de fé, amor e bondade.

Jundiaí, diferentemente de outras cidades, nunca se beneficiou de favores estatais, tudo o que se obteve foi graças ao seu próprio esforço e trabalho.

O jundiaiense típico acredita em seu futuro melhor, ama sua cidade, seu bairro e sua vizinhança.

Sua posição geográfica atraiu grandes empresas, formando um dos parques industriais mais modernos do país. A saúde, a educação, o saneamento básico, o abastecimento de água, as moradias, a segurança pública são exemplos que dignificam nossa gente.

Todos sabem que aqui estão as melhores oportunidades. Hoje ostenta prêmios qualificados, entre as melhores, em cidades saudáveis e seguras.

O teatro da temporalidade moderna sempre aspirou à memória efêmera, mas aqui não subestimou o passado. Os bens artísticos, os monumentos, obeliscos e marcos são instrumentos que veiculam e fazem parte da sua memória.

Bolão, Teatro Polytheama, Ponte Porta, prédios da Fepasa, Serra do Japi e Catedral são marcos efetivos da memória viva de nossa historia. A avenida 9 de Julho é uma das mais belas, cartão postal. O Parque da Cidade permite ao povo acesso ao lazer. Sesc, Sesi, Senai e Senac têm selo de qualidade.

Pouco tem atrás o prefeito Luis Fernando Machado e o então governador Geraldo Alckmin inauguraram as alças sobre a via Anhanguera, obras de grande destaque.

Jundiaí faz aniversário neste 14 de dezembro. Trabalho, coragem e independência marcam 364 anos.

Os parabéns são dirigidos a todos nós, tanto aqueles que aqui nasceram, como tantos outros que adotaram esta terra.

Foi Deus, que em momento inspirado, criou esta terra abençoada.. Tenho orgulho de viver aqui.

Guaraci Alvarenga é advogado. Foto: Arthur Henrique/Fotos Aéreas
Jundiaqui
Você vai
gostar de

a rotina é o nome cotidiano que deram à morte

por José Renato Forner

Quando vai chegar aqui?

Por José Renato Nalini

Festival universitário vem com Capital Inicial a Jundiaí

Banda fecha a noite de sexta, que antes terá cinco concorrentes no palco

Crônica da Cozinha – Nada é o que parece ser

Por Manuel Alves Filho
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.