Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaí ganha sua “Memória LGBT”

Jundiaqui
20 de fevereiro de 2018
Projeto contemplado com verba do Estado tem festa de apresentação na Argos

Edu Cerioni

O Espaço Segundo Andar, onde entre 1987 e 89 funcionou uma boate, foi o lugar escolhido por Rodrigo Tangerino e equipe para o lançamento do projeto "Centro de História Oral e Memória Social LGBT", que gerou um site que se propõe a servir como um banco de dados virtual sobre o movimento da comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros da cidade.



Tangerino reuniu na festa alguns dos primeiros homossexuais assumidos de Jundiaí, que deram emocionantes depoimentos. O que se fez ali foi lançar um olhar de valorização para um passado de luta e que serve de inspiração para os novos desafios que vão surgindo para esses indivíduos.

O encontro teve performances de antigos e novos transformistas, desfiles de roupas e acessórios para um público "colorido", além de apresentações musicais e declamação de poesias.

Dentro do Complexo Argos, onde um dia funcionou o teatro anexo do grupo escolar, agora restaurado, teve ainda projeções, exposição de objetos, roupas e fotografias.

O desfile foi da marca Maria Antonieta, de Maurício Beltrami, com muita ousadia em metalizados em tons de rosa e roxo.



Duas gerações de performistas fizeram apresentações na dublagem de músicas, primeiro a estilista e mulher transexual Karol Della Lastra, que atua desde a década de 80, e depois Fanfoso, que despontou na cena artística ano passado.

Karol dublou "Memory", distribuindo rosas vermelhas e indo às lágrimas, exatamente a canção que levou pela primeira vez aos palcos e também mostrada no "Programa do Bolinha", na TV.

Também a rainha LGBT Jéssica Close se apresentou, carregada de faixas de diferentes concursos que venceu.



As advogadas Rose Gouvêa, fundadora da ONG Aliados e responsável pela Parada do Orgulho LGBTT de Jundiaí, e Kelly Galbieri, assessora de Políticas para a Diversidade Sexual da Prefeitura de Jundiaí, prestigiaram o lançamento do projeto contemplado pelo ProAC 2017 - Programa de Ação Cultural, fomentado pelo Governo do Estado de São Paulo.

Rose destacou que a luta de todos é pelo respeito das individualidades. Kelly lembrou que em 17 de maio haverá na cidade um mutirão para que o transexual possa trocar o prenome e o gênero no registro civil. "Começamos a ter o que comemorar", avalia.

"A história oral vem servindo com muito êxito para conservar informações de grupos antes excluídos e pouco olhados, geralmente ocultos para a história oficial", lembra Tangerino, homossexual e integrante do grupo CUME e dono da Leso Vídeo. "Dessa forma, resgatar essas histórias não contadas e estes espaços invisíveis é uma maneira de reativar a memória da luta e resistência LGBT e, consequentemente, estimular a identidade e o sentimento de pertencimento da comunidade".

Veja mais fotos:



Fotos: Edu Cerioni e Maria Fernanda Cerioni
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Bloco do Loki colore o Centro na base do glitter

Festa no Centro nesta segunda chega ao JundiAqui em mais de 500 fotos

Jundiaí é aqui

Douglas Mondo traz poesia em homenagem ao aniversário do JundiAqui

Juliana Galdino nos 100 anos da Revolução Russa

Atriz que fez história em Jundiaí, lê discurso de Stálin para projeto da TV Folha

Alex Roch volta à Pinacoteca com suas mulheres e questionamentos

Artista apresenta sua obra como uma abertura para a mostra “PretasIncorporações”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.