Jundiaqui
Jundiaqui

Minuto de silêncio: do barro se moldou a história de Angelina Zambelli

Jundiaqui
7 de novembro de 2018
Obra da artista que escolheu Jundiaí como sua terra ganhou detaque mundo afora




Rita Cerioni

Morreu nesta terca-feira (6), aos 62 anos, a artista plástica Angelina Zambelli. Paulistana, escolheu morar em Jundiaí. Artista de corpo e alma, Angelina traduzia em peças de cerâmica de forma livre, sua pluralidade e personalidade de mulher forte, expressiva, guerreira.

Angelina sempre esteve às voltas com a arte, criando e difundindo. Esteve à frente da loja Gibi, onde promovia eventos e alimentava a paixão de gerações pelas histórias em quadrinhos. Se entregou por anos à essa arte, e soube exatamente o momento de fazer uma transformação, de perceber que não havia mais espaço para seus heróis em papel.

Sábia, de sorriso largo e olhar firme, se entregou à cerâmica. Criou peças para espaços internos e externos, expondo em eventos individuais como “Solos”, exposição realizada na Pinacoteca de Jundiaí em 2017 e dezenas de exposições coletivas. Sua arte foi premiada na 10ª exposição de arte de Bunkyo em 2013 e também em 2016 e na exposição de cerâmica artística Ykoma, em 2012.

Participou da 2ª Bienal Cerâmica de São Paulo, no Centro Cultural Olido, que reuniu 58 mestres dessa arte na Capital até o último domingo, 4 de novembro.

Este ano, Angelina lançou uma coleção de jóias em cerâmica da designer Raquel Acioly, traduzindo sua marca de mulher versátil, mesmo frente às adversidades.

Angelina criava, apesar e para além de um câncer que tratava há anos.

Escreveu uma história de vida intensa e repleta de cores ao lado de Roberto, Bruno e César. Em sua página, a frase de Nietzsche: “Temos a arte para não morrer de verdade”. Sua vida está eternizada em sua arte. “Inté”, como você costumava me dizer no final dos nossos encontros.Em agosto de 2017, a artista foi tema de reportagem no JundiAqui (leia) e também de artigo de Cláudia Bergamasco, A terra de Angelina Zambelli, por conta de exposição na Pinacoteca Municipal - onde esteve em maio daquele mesmo ano para prestigiar as obras do amigo Inos Corradin e na qual foi fotografada por Edu Cerioni junto com Marco Antonio André (abaixo).

Fotos: Arquivo JundiAqui e Divulgação
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Fé cega, faca amolada

Pelo Dr. Didi

Atriz do primeiro beijo na TV deixou livro em Jundiaí

Vida Alves esteve na cidade em 2014 para lançamento de biografia publicada pela Editora In House. Morreu 88 anos

Conheço esse semblante

Por José Renato Nalini

Viagem ao passado de Jundiahy agita redes sociais

Por José Arnaldo de Oliveira
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.