Jundiaqui
Jundiaqui

Minuto de silêncio: Jundiaí se despede de João Carlos Lopes

Jundiaqui
29 de março de 2018

  1. Colunista social e radialista foi vereador duas vezes; enterro é nesta Sexta da Paixão


Edu Cerioni

Morreu João Carlos Lopes e Jundiaí vira uma página importante da história de seu colunismo social. Ele era advogado aposentado e também deixou marcas no rádio e na TV, além de um nome na política. A cidade está mais triste com a notícia desse falecimento aos 64 anos de idade, na tarde desta quinta-feira (29), dia chuvoso e de friosinho, como é tradição na Semana Santa.

Como colunista social, João frequentou as festas mais badaladas nas últimas décadas. Sumiu um pouco dos holofotes entre 2015 e meados de 2016, por conta da saúde debilitada, mas parecia estar recuperado e entrando de novo no ritmo da cidade. Ao ver sobre sua morte no Facebook, juro que me surpreendi e senti o golpe.

Conversamos em vários momentos nos últimos meses, como em coquetel da Festa Italiana, comemorações do Clube da Lady e inaugurações. Ele sempre com uma máquina fotográfica em mãos, assim como eu. Ríamos e trocávamos fotos. João sempre foi muito atento a minha família, uma amizade que começou com minha mãe, dona Nina, anualmente homenageada por ele sem seu aniversário de maio.

Durante mais de trinta anos, João foi presença diária nas páginas do "Jornal da Cidade" - exceção às segundas-feiras, quando não havia edição. Ficou conhecido e isso lhe abria portas, a exemplo de Théo Conceição e do saudoso Picôco Barbaro, ícones do colunismo social jundiaiense. Picôco morreu um ano e um dia antes de João - em 28 de março de 2017.Na época, o "JC" tinha grande prestígio e isto ajudou João a se eleger vereador por duas vezes.  O "Jornal da Cidade" entrou em fase complicada financeiramente, nem sempre sendo publicado, e João Carlos acabou migrando, no começo deste ano, para o "Jornal da Região" e se dizia empolgado - mas fez apenas doze colunas sociais antes do precoce adeus.João Carlos também foi voz conhecida nas ondas da Rádio Cidade. Entrava pela manhã com suas reportagens e entrevistas. Na TV, comandou seu programa de colunismo no Canal 25 da Net, o "Câmera Vip", anos atrás.VEREADOR

Formado em advocacia pela Faculdade Anchieta - antes cursou a Professor Luiz Rosa -, ele atuou como procurador da Prefeitura de Jundiaí e presidiu o Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais.

Foi vereador em duas oportunidades seguidas, com mandatos entre 1989 e 1996. Em 1991 foi presidente da Câmara por conta do afastamento do titular. Também assumiu uma cadeira em 2000 porém apenas por dez dias, quando era suplente. Foi filiado a PTB, PDS e PSDB.Uma decepção foi ter recebido apenas 478 votos em 2016 (ficou em 81º na lista dos candidatos), embora a campanha tenha sido prejudicada por um machucado no pé que se transformou em um grande problema de saúde por conta da diabetes.Aqui cabe uma história: sem poder sair do apartamento em que morava na Rua do Retiro por conta da ferida no pé, João me recebeu em uma visita há dois anos e pouco. Ficou feliz e não teve dúvidas em me entrevistar para a rádio. "Tô com o pé ruim, não com a boca", disse. E mais: ele manteve o programa de TV no ar, chamando as pessoas para entrevistas em sua sala. A esposa Katie ajudava a gravar e João usava camisa, gravata e paletó, sem deixar transparecer a dor ou aparecer a bermuda e um pé de chinelo e outro enfaixado.Nascido em 30 de abril de 1953, João era casado com Katie Louise Rígolo Lopes desde 1982, com quem teve dois filhos, Ana Carolina e Carlos Eduardo, meu xará.

João Carlos seguiu os passos do pai, João Lopes, que também foi vereador e hoje empresta seu nome ao Poupatempo. Sua mãe foi enfermeira, Dona Maria Lopes, que dá nome ao AME - Ambulatório de Especialidades Médicas. João Carlos Lopes merece também uma grande homenagem.

SEXTA SANTA

João foi internado na quarta-feira (28) e, segundo o "Jornal da Região", enfrentava um câncer no fígado, que eu nunca soube  - embora na foto abaixo com Márcia e Nailor Gropelo, dia 23 último, ele esteja bem mais magro e seu rosto mostre sinais de cansaço.

O corpo está no Velório Municipal Adamastor Fernandes e o enterro será às 11 horas desta sexta-feira (30), no Cemitério Nossa Senhora do Desterro, no Centro.É a Sexta da Paixão e para os que têm a graça da fé, como era o caso de João, a Ressurreição de Cristo é certa e redime todos os nossos erros e nos dá a eternidade.

Fotos: Edu Cerioni, Marco Costa e Rosana Camargo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Tem vovó da flauta agitando no meio dos guris

Léa Freire vem a Jundiaí para concerto no Polytheama nesta quarta

Troca de figurinhas? O Maxi bate um bolão

Mais colecionadores aproveitam o conforto e a segurança do shopping para encher seu álbum

Crua leva seu samba para trazer recursos e gravar disco

O Samba no Barra foi uma festa com o show “Ao vivo no banheiro”

Ne me Quitte Pas!

Por Vera Vaia
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.