Jundiaqui
Jundiaqui

Mudança de vida!

Jundiaqui
28 de outubro de 2017
Por Nelson Manzatto

Sentiu uma dor forte no peito. Apoiou-se no encosto da cadeira para se manter em pé. Quis gritar por socorro, mas o grito de dor foi maior e seu corpo deslizou, num pouso forçado no chão.

A noite caia lá fora e a chuva forte avisava que não iria parar tão já. Relâmpagos e trovões misturaram-se ao grito de dor, enquanto a energia elétrica deixou o ambiente na escuridão.

O gerador demorou ainda cinco minutos para ser ligado na empresa e, como ninguém podia ir embora, mesmo com o expediente encerrado, por causa da chuva, o corpo estendido no chão, na sala da presidência, acabou sendo descoberto pela secretária de diretoria e o ambiente mudou de preocupação com a chuva, com o que teria acontecido no local.

Quando o médico da empresa, chamado às pressas e que por sorte estava ali por causa da chuva, constatou o infarto, o chamado da ambulância se fez necessário.

Mas não se pode dizer que o destino prega peças às pessoas, pois, por causa da chuva, as principais ruas da cidade estavam congestionadas, dois acidentes, na avenida de acesso à empresa atrapalhavam qualquer solução para a chega de socorro.

Uma maca do ambulatório ajudou a ajeitar o corpo do diretor infartado e havia a certeza de que não era fatal! Mas havia o alerta de que o fato poderia se repetir e isso preocupava as poucas pessoas ali presentes. Nos corredores e no pátio da empresa, o movimento já era grande, com funcionários indo em busca de seus lares, ignorando o que acontecia no prédio da administração.

Encaminhado ao hospital e tendo recebido atendimento, chamou o médico da empresa para saber como repercutira entre os funcionários o que lhe acontecera. Após saber que os 200 funcionários em serviço na hora tiveram a informação e que apenas o médico, sua secretária e mais um diretor aguardaram notícias sentiu que era hora de mudar de postura.

Refeito da enfermidade e tendo retomado o trabalho, logo no primeiro dia deixou sua sala e percorreu todas as repartições cumprimentando cada um dos funcionários e se desculpando por não prestar atenção na existência deles.

Ao refletir que a vida era curta e que podia se acabar de repente, sentiu que a fraternidade e a partilha são essenciais para um mundo melhor. E mudou!

As portas de sua sala passaram a ficar abertas a todos os trabalhadores e os finais de semana se transformaram em encontro de amigos, cada um dividindo a alegria de viver com outro.

Nelson Manzatto é jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Cia de Jundiaí faz espetáculos para bebês

“Scaratuja” vem com Aline Volpi e Vladimir Camargo nesta terça e quarta no Sesc

Maria dos Pacotes: o mito vive

Carlota Edith Barbieri, uma pequena e frágil mulher, adotou um estilo de vida que assustava muita gente

O circo, Tonico e Tinoco e o futebol

Por Nivaldo Mosele

Catequista deixa lição de fé e sua visão da “Santa Ceia”

Edwal Antônio Barbarini desenhou transformadores e ajudou a transformar vidas em Jundiaí
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.