Jundiaqui
Jundiaqui

Pagando a compra com caderneta

Jundiaqui
7 de janeiro de 2018
Por Nelson Manzatto

Fazer compras hoje em dia pode ser difícil porque o dinheiro está curto, mas temos muitas opções de pagamento: talão de cheque, dinheiro, cartão de débito ou cartão de crédito. Comprar fiado, hoje em dia, é muito complicado. Afinal, quem garante que vai receber? Digo isso porque na minha infância, no final da década de 1950 e início de 1960, havia muita compra que era paga somente no final do mês. E eram poucas as garantias: apenas uma caderneta!

Isso acontecia na mercearia, no açougue, na padaria e até no armazém. Alguns desses comerciantes tinham o controle das compras, mas quem marcava na caderneta corria o risco de nunca mais ver a cor do dinheiro.

Mas tinha o comércio onde havia uma placa afixada com as palavras: “Fiado só amanhã!” ou ainda: “Não vendemos fiado!” e ambas eram completadas por “Favor não insistir!”

E as compras, lá em casa, eram sempre feitas com dinheiro vivo! Despesa do mês era feita do Empório Bizarro, em frente à Igreja da Vila Arens, mas no dia a dia, minha mãe mantinha uma pequena caneca no armário da cozinha onde ficavam alguns trocados, para compras de última hora, principalmente no armazém do seu Valentin que ficava na rua da Várzea, bem em frente ao campinho das casas da Vila Agrícola, na Vila Progresso.

Mas além do Bizarro, onde a conta era alta e paga à vista, tinha também a feita diariamente na Padaria União, na avenida São Paulo, bem em frente ao Campo do Dragão Mecânica. Pão e leite eram comprados toda manhã e, na hora de pagar, entregava-se a caderneta para a moça do balcão que ali marcava a compra e o valor. E assim passava-se o mês.

Todos nós gostávamos de pegar a caderneta e comprar o pão ou o leite ou, às vezes, os frios para um lanchinho de final de tarde. Mas lanchinho para seis irmãos virava uma refeição cara! E tudo isso era marcado na caderneta.

Meu pai não usava a caderneta no dia a dia, apenas na hora de somar os valores para fazer o pagamento e era ele e meu irmão mais velho, Ademir, que faziam a conta. Sabíamos que era hora de pagar quando víamos os dois somando os valores.

Valor calculado, dinheiro colocado no meio da caderneta, era hora de pagar. E quem mais gostava de fazer isso era eu! Gostava de pegar a caderneta com o dinheiro, chegar no balcão da padaria e entregar no caixa. Tinha a impressão de que os outros fregueses ficavam olhando uma criança de 8 ou 9 anos pagando as compras do mês.

Valor somado na calculadora do balcão, dinheiro entregue, caderneta paga e rasgada. Voltava para casa com outra caderneta novinha. E feliz porque tinha feito o pagamento da conta. Mais feliz ainda porque o dono da padaria dava meia dúzia de balas de mel. Uma espécie de “incentivo” pela conta paga.

E a alegria se completava quando chegava em casa e dividia as balas ganhas entre os irmãos. E como meu irmão mais novo só nasceu em 1963, sobrava sempre uma bala a mais para mim. Ademir, Ana, Toninho e Osmar se contentavam em ficar com uma bala. Mas muitas vezes eu fazia questão de dar uma para minha mãe. E esperar mais um mês passar, só pra pagar a conta no balcão da padaria mais uma vez...

Nelson Manzatto é jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

De volta às serestas

Por Guaraci Alvarenga

Agendão do Carnaval 2018

Veja tudo que vai rolar na folia de Momo em Jundiaí, entre festas e desfiles

Jundiaiense vira o novo xodó do Santos

Ele joga com a mesma camisa que um dia foi do bicampeão mundial Dalmo Gaspar

“Os 3 Porquinhos” com a Cia. Le Plat du Jour

Espetáculo é gratuito no Sesc neste domingo. Jundiaiense é um das criadoras
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.