Jundiaqui
Jundiaqui

A pedra em cada um de nós

Jundiaqui
19 de julho de 2018
Por Guaraci Alvarenga

Às vezes a saudade acorda a minha mocidade. Dos tempos que não voltam mais. Trafeguei pelas minhas lembranças e desembarquei num conto, que muito me marcou.

Não me recordo do nome do autor. Fato lamentável. Diz a narrativa que um jovem filho, na busca do sucesso na vida,  procurou por seu velho pai.  Desejava ser feliz. O homem, então, lhe entregou uma pedra, que guardava escondida, num relicário. Disse que ele fosse ao mercado e a oferecesse para as pessoas. Se alguém perguntasse o preço, apenas erguesse dois dedos.

Não tardou uma mulher a se entusiasmar pelo objeto: "Esta pedra ficaria bonita em meu jardim, quanto quer por ela?" Ao ver os dois dedos afirmou que pagaria 20 reais. O jovem retornou para casa e contente relatou o caso.

O pai, então, mandou que fosse a outro lugar, ao museu local. Lá, o gestor, ao examiná-la, não teve dúvidas quanto ao valor da pedra. Uma pedra rara, a ser lapidada. Histórica. Ao perguntar o preço, não titubeou aos dois dedos levantados: pago 20 mil reais.

Mais uma vez voltou para com seu pai, seduzido pela oferta. Não obstante, um nova direção lhe foi indicada. Uma joalheria. O joalheiro ao perceber a preciosidade que o jovem carregava nas mãos foi logo perguntando o quanto valia. Pela indicação dos dois dedos, ofereceu 200 mil reais.

O contentamento lhe extravasou a alma ansiosa. Contou ao seu velho, da sua enorme alegria, em como conseguiu valorizar a pedra que lhe fora entregue.

Foi aí, que lançando a sua mão carinhosa sobre aqueles joviais ombros, com o olhar da certeza de sua intenção, o vivido senhor, professou: "Todos nós carregamos uma pedra dentro da alma. Se você se oferecer, no mercado, encontrará pessoas que jamais reconhecerão o seu valor. Prendem-se a mediocridade e o egoísmo. Não passarás de um enfeite de jardim.  Mas se se oferecer a pessoas que saibam valorizar as virtudes da pedra que carrega consigo, então encontrarás o caminho que tanto deseja. A joalheria de sua existência.  Procure se acercar de pessoas positivas e entusiasmadas. Pessoas que te valorizam. Aprenda com elas o otimismo de se viver.  Contagia-se com esperança por dias melhores. Seja sempre um referencial para outros, que talvez possam se espelhar em você. Que a pedra dentro de si seja lapidada por mãos divinas e que reflitam, por mais que sejam tristes os tempos, o mais brilhante dos diamantes".

Guaraci Alvarenga é advogado
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Praça do Vianelo recebe Sarau das Mina

Coletivo Coisarada promove encontro nesta quarta-feira, às 18h30

Ninho tucano mais triste sem Clóvis Galvão

Amigos se despedem do gestor de Administração e de Pessoal da Prefeitura de Jundiaí

Revolução das Bengalas reflete sobre espiritualidade

Projeto encerra o 1º ciclo com o seminário concorrido na Associação dos Aposentados

Troca de figurinhas? O Maxi bate um bolão

Mais colecionadores aproveitam o conforto e a segurança do shopping para encher seu álbum
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.