Jundiaqui
Jundiaqui

Picôco Barbaro: eterno na memória de Jundiaí

Jundiaqui
18 de novembro de 2017
18 de novembro é dia de prestar homenagens ao colunista social e folião do nosso Carnaval

Edu Cerioni

O querido Picôco Barbaro disse adeus prematuramente... e neste 18 de novembro é momento de relembrar do colunista social que morreu em 28 de março passado. Este sábado seria de festa, pelo seu aniversário de 72 anos, mas agora ele é só saudade - assim como sua irmã Pituca e os pais, Léta e Oswaldo.

Luiz Francisco Ferreira Bárbaro foi um grande folião, um boêmio histórico de Jundiaí que tinha uma memória invejável para nomes e causos, além de escrita impecável. Deixou seu mantra "viva a vida" marcado na memória jundiaiense.

"Viva a Vida" é nome de livro que deixou, no qual registrou passagens de tempos bons na cidade que tanto amava, com destaque para fotos e lembranças do Carnaval - foi homenageado pelo bloco Continuamos na Nossa, da sua Ponte São João, em 2015. Também organizou o livro "Palavra de Lady", com entrevistas para o Clube da Lady.

Piadista de fazer rir uma grande roda de amigos, costumava usar um suspensório vermelho que acabou sendo uma de suas marcas.

Picôco cursou direito no Anchieta e se aposentou na Justiça do Trabalho. Como colunista, passou pelo caderno "Estilo", do "Jornal de Jundiaí", "Bom Dia" e o site JundiAqui. Atuou ainda no programa "Conexão Japi", da TV Japi. Recebeu o prêmio de Mérito Jornalístico pela Câmara de Jundiaí em 2015.



Leitor voraz, era na madrugada que achava a inspiração e costumava escrever, sempre acompanhado de um cigarro - o grande vilão de sua vida. Morreu por conta de um câncer de pulmão.

Não teve filhos, mas cuidou dos sobrinhos Maria Fernanda e José Oswaldo como se assim o fossem - e que carregam o compromisso de honrar a bela história dos Barbaro. Sua grande paixão era o sobrinho-neto João Pedro.

O nome de Picôco vai batizar a recepção da Unidade de Gestão de Cultura de Jundiaí, dentro do Complexo Fepasa.

 

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Juliana Galdino e a insurreição feminina contra o poder e as regras sociais

Club Noir estreia espetáculo “Fedra” nesta sexta-feira, em São Paulo

Trio em Transe se joga na Tropicália em noitada no Koh Samui

Quem precisava ouvir aquela canção do… Caetano, Chico, Gal se deu bem

Molho rôti

Por Paulo de Luna

Em temporada de Festa Italiana

O cardápio é variado e a preço justo. E sobra diversão no ritmo da boa música
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.