Jundiaqui
Jundiaqui

Tocando corações

Jundiaqui
4 de julho de 2019
Guaraci Alvarenga escreve sobre o aniversário da Banda São João Batista

Guaraci Alvarenga

"Estava a toa na vida /O meu amor me chamou/ Pra ver a banda passar/ Cantando coisas do amor" (CHICO BUARQUE)

Registra a história da tradicional Ponte São João, berço de imigrantes italianos, que a brava colônia ali hospedada, adormecia com um elevado sonho. Sonho dourado que levasse, além viaduto, a sua identidade musical, sublime herança deixada pelos seus antepassados.

Alegres, divertidos e com um forte sentimento religioso, estes reverentes italianos não admitiam a ausência de uma banda musical para acompanhar suas santas procissões.

O então italianíssimo sacerdote, inveterado amante da música, padre Ângelo Cremonti, tomou a iniciativa e abraçou a ideia do músico João de Deus Rodrigues. Com eles, se juntaram os pioneiros Osvaldo Bárbaro, Orlando Pirani, Antonio Mietto, Fioravante Zampolli, Antonio Ferigatto, Domingos do Amaral, Moisés Tomazzi, Antonio Lumazini e o maestro Elias Cavedal.

Assim nasceu a Banda da Ponte, ou da Igreja, ou do Padre, para se tornar, nos dias de hoje, na notável Banda São João Batista.

A Prefeitura Municipal, décadas atrás, com o apoio do vereador Auçônio Tozetto, cedeu espaço para a sede, que só foi inaugurada muito tempo depois. Veio em 2009 como a sua maior conquista.

Ao longo destes 62 anos, a despeito das tantas dificuldades encontradas para não silenciar seus instrumentos, seu itinerário musical está marcado por pontos de marcantes e inesquecíveis conquistas. Participações memoráveis em programas televisivos e eventos especiais.

A sua música enaltece e enriquece de brilho as cerimônias religiosas, militares, escolares, inaugurações, bailes, festas, confraternizações e casamentos.

Jamais deixou de pôr às claras a excelência de sua contribuição à história de nossa gente e de nossa terra.

Berço de artísticos músicos, estes muitas vezes conservando seus próprios instrumentos, nunca se deixou vencer pelos modismos de época. Enfrentou-os com a mesma santa força de seu nascimento e hoje nos honra e envaidece.

Nossos ouvidos são privilegiados com os agradáveis e melodiosos acordes musicais.

Compõe parte do patrimônio cultural e histórico de Jundiaí.

Eu a ouvi na procissão de Corpus Christi e no palco do Teatro Polytheama e lhe presto a rematada reverência musical.

Presto mais uma vez a esses notáveis músicos minha homenagem. Citá-los, estaria por certo preso ao esquecimento injusto de algum nome. Quero, no entanto, de coração, lembrar-me do meu querido e saudoso Rubinho Giarolla, figura dos que mais amou esta corporação musical. Sei que, da etérea espiritualidade continua aplaudindo a todos seus companheiros aqui da Terra.

Gostaria de mais uma vez, como o faço todos os anos, de dirigir a palavra de carinho e amizade, num gostoso e sonoro parabéns! Um pouco singelo, mas com muito afeto e carinho.

Termino, com os alguns versos da “Banda”:

"...a marcha alegre se espalhou na avenida e insistiu / A lua cheia que vivia escondida surgiu / Minha cidade toda se enfeitou / Pra ver a banda “São João Batista” passar / Cantando coisas de amor".
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaiense é o primeiro em Medicina da Unesp, mas vai de USP

Rafael Marcos Sartori Costa, de 18 anos, brilha nos vestibulares 

Um giro pela Feira de Noivas

Até domingo, mais de 100 expositores estão esperando por quem sonha em casar no Maxi Shopping, com ofertas de ‘A’ a ‘Z’

A inútil posse de bola do futebol brasileiro

Por Marcel Capretz

Sapiranga traz sua poética e musicalidade ao Koh Samui

Cantor e compositor baiano viveu sua juventude aqui e voltou em noitada cheia de amigos e ‘canjas’
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.