Jundiaqui
Jundiaqui

Afinal, o que é a BNCC?

Jundiaqui
14 de maio de 2018
Por José Renato Nalini

O Brasil ouve há algum tempo o discurso da BNCC. Sigla que significa Base Nacional Comum Curricular. Muita gente confunde a Base com o Currículo. Os que elaboram a BNCC repetem incansavelmente: Base não é Currículo. Ela é o documento que define os conhecimentos essenciais a que todos os alunos da educação básica têm direito.

A Base constitui um núcleo comum de conteúdo obrigatório para todos os currículos. Todas as escolas, públicas ou privadas, urbanas e rurais, têm de ofertar ao alunado esse mínimo. Sua importância é definir, com clareza e objetividade, o que o aluno tem direito a aprender. Com isso, haverá uma diretriz para os que propiciam o ensino à criança e ao jovem brasileiro.

Os currículos continuarão a ser elaborados pelas instâncias próprias. Mas a BNCC servirá como referência para a sua construção. Ela não impõe metodologia de ensino, abordagem pedagógica, critério de avaliação, mesmo porque não é isso o que a Constituição diz, ao prestigiar o pluralismo e a diversidade de concepções pedagógicas. Não se pretende o engessamento, ao contrário. Cada região, cada cidade, cada confissão religiosa, cada esfera de pensamento pode educar da forma como entender mais adequada. O que existe é uma concepção de complementaridade entre BNCC e currículo. Aquela fornece o rumo da educação, a sinalizar onde o ensino deve chegar e este elabora a trilha para atingir o desejado.

A BNCC prevê o desenvolvimento integral, com dez competências gerais norteadoras. Aspectos cognitivos, sociais e pessoais devem ser desenvolvidos pelos alunos. Investe-se em pensamento científico, crítico e criativo, capacidade de argumentação, autonomia e resiliência. Praticamente é o que já existe na experiência do Ensino Integral de São Paulo. Notável a desenvoltura com que jovens falam do seu “Projeto de Vida”, elogiam os “Clubes Juvenis” e amam a “Tutoria”, além do acolhimento. É o protagonismo do aluno em ação. Reforçada pela “Gestão Democrática”, ponto de honra da atual composição da Secretaria da Educação do Estado.

A aprendizagem, de acordo com a BNCC, deve ser ativa. A cada conhecimento vincula-se uma habilidade, que permite ao aluno encontrar o que não acha no ensino convencional: a finalidade do aprendizado. O liame entre a teoria e a vida real. Ao conciliar processos cognitivos mais sofisticados como investigar, analisar e criar, contrapostos a outros mais passivos, como lembrar e identificar, estimula-se o protagonismo dentro da escola e fora dela.

A BNCC contém as dez competências gerais que os alunos devem desenvolver durante todas as fases da educação formal e que norteiam a aprendizagem nas várias áreas do conhecimento, mas também explicita os direitos de aprendizagem e desenvolvimento na Educação Infantil, cada vez mais objeto de atenção. Sabe-se que os anos iniciais são nevrálgicos. Se a criança não merece atenção, carinho e cuidado permanente, pode ser estigmatizada com sequelas que perdurarão durante toda a vida adulta. Daí a relevância de conviver, brincar, participar, explorar, expressar-se e conhecer-se.

Estimula-se a experimentação em cinco campos da primeira infância, em que a interação e o lúdico representam os eixos estruturantes da prática pedagógica: O eu, outro e o nós; corpo, gestos e movimentos; traços, sons, cores e formas; escuta, fala, pensamento e imaginação; espaços, tempos, quantidades, relações e transformações. Há um vasto universo a ser vivenciado por educador, que aprende com a criança e a criança, que aprende e também ensina o educador.

Tudo precisa da colaboração de todos. Recordemos, uma vez mais: a educação é direito de todos, mas dever do Estado e da Família, em colaboração com a sociedade. Por isso, ninguém está excluído, ao contrário, todos estão obrigados a se responsabilizar por educação de qualidade. Quem ganha é o Brasil. É o futuro. É o tesouro geracional do porvir.

José Renato Nalini é desembargador, reitor da Uniregistral, escritor, palestrante e conferencista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Agridoce

Pelo chef Manuel Alves Filho

Documento português corrige origem histórica de Jundiaí para 1656

Professor apresenta cópia da ata de translado da criação da vila de Jundiahy

Festa Julina do Celeti é uma grande diversão

Uma tarde de brincadeiras, bom papo e delícias da temporada no Parque da Represa

“Revista Japy” tem lançamento nesta sexta

São 64 páginas de diversos artistas e com tema “Tudo é finito”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.