Jundiaqui
Jundiaqui

A Beleza, os Bens Culturais e as Construções da Igreja

Jundiaqui
23 de dezembro de 2018
Pelo Bispo Dom Vicente Costa

“Planejaste construir uma casa para meu nome, e fizeste bem ao ponderar isso em teu coração” (1Rs 8,18).

Prezados irmãos e irmãs da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

Nós, os cristãos unidos a Cristo pela força do Batismo, somos as pedras vivas (cf. 1Pd 2,5) do templo espiritual que é a Igreja, Corpo Místico de Cristo, do qual Ele é a Cabeça. Somos as moradas do Espírito Santo (cf. Jo 14,23). Necessitamos, porém, de lugares especiais para nos encontrar com Deus em assembleia, para proclamar e refletir sobre a Sagrada Escritura e celebrar o Mistério Eucarístico. O local destinado à reunião dos cristãos e, especialmente, da celebração dos sacramentos é chamado de “espaço litúrgico”. A sua forma arquitetônica e a sua disposição devem favorecer o encontro com Aquele que ali se faz realmente presente, mas se esconde, pois o espaço litúrgico deve remeter o fiel ao mistério de Cristo. Por isso, tanto este ambiente, quanto os objetos aí usados devem suscitar nos fiéis o desejo de encontrar a fonte de toda Beleza: Deus.

Na cultura hebraica, uma palavra correspondente à beleza seria shekiná (“a Glória de Deus”) manifestada em todo seu esplendor na feliz convivência de Deus com as suas criaturas. É o ideal do paraíso primitivo quando “Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom” (Gn 1,31). No Antigo Testamento e no tempo de Jesus, até a sua destruição no ano 70 d.C., muito famoso era o templo de Jerusalém construído pelo rei Salomão (cf. 1Rs 6). Dezenas de milhares de homens trabalharam na construção dele, que custou muito dinheiro. Isso porque foram usados nele muito ouro e prata.

Mas a centralidade da Pessoa de Jesus Cristo para os cristãos faz com que a arte sacra seja dirigida para promover o louvor e a glória a Deus, por meio do seu Filho Encarnado, Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Ele é o verdadeiro Templo por meio de quem Deus é adorado “em espírito e verdade” (Jo 4,23). Assim, as obras criadas pela inspiração religiosa transmitem a fé e a piedade que convêm à majestade da casa de Deus, da “igreja”, o templo material, tanto que o espaço litúrgico deve revelar o Cristo Encarnado, Sofredor e Glorioso (cf. Jo 2,21) em sua totalidade: Cabeça e membros. Portanto, no espaço sagrado, faz-se experiência da Aliança com Deus: o povo fiel se constitui como Igreja de Cristo e recebe o dom do Espírito Santo.

A missão salvadora da Igreja a partir da beleza (arquitetônica, musical, litúrgica, entre outros) ficou conhecida ao longo dos séculos como via pulchritudinis (“o caminho da Beleza”), um dos métodos pastorais mais frutuosos para o anúncio do Evangelho. No ser humano a atração pelo divino se funda no senso da admiração, do maravilhoso e da transcendência. Na conclusão do Concílio Vaticano II, São Paulo VI dizia aos artistas: “o mundo em que vivemos tem necessidade da beleza para não cair no desespero. A beleza, como a verdade, traz o gozo ao coração dos homens, é este fruto precioso que resiste ao tempo, que une as gerações e as faz comungar na admiração. E isto por vossas mãos” (Mensagem aos artistas, 08/12/1965).

Na Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis (“Sobre a Eucaristia, fonte e ápice da vida e da missão da Igreja”), o Papa Bento XVI insiste sobre a íntima e essencial relação que existe entre a beleza e a liturgia. “De fato, a liturgia … tem uma ligação intrínseca com a beleza: é esplendor da verdade (veritatis splendor). Na liturgia, brilha o mistério pascal, pelo qual o próprio Cristo nos atrai a si e chama à comunhão” (n. 35a). Deste modo, o Santo Padre conclui que “a beleza não é um fator decorativo da ação litúrgica, mas seu elemento constitutivo, enquanto atributo do próprio Deus e da sua revelação. Tudo isto nos há de tornar conscientes da atenção que se deve prestar à ação litúrgica para que brilhe segundo a sua própria natureza” (n. 35b).

Ciente de tudo isso, a nossa Diocese promoveu no Anfiteatro Pio XII da Cúria Diocesana, no último dia 1º de dezembro, o Encontro Diocesano da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI). Sob a coordenação do Padre Carlos Rafael Casarin e estando presentes os membros desta Comissão Diocesana, Padres, diáconos, seminaristas, responsáveis de patrimônio das Paróquias, engenheiros, arquitetos e convidados, o encontro proporcionou um panorama da missão da CBCI que é: promover o conhecimento, a conservação, a valorização cultural e evangelizadora dos bens culturais da nossa Igreja diocesana, reconhecendo que as construções das igrejas e dos locais adjacentes, na sua arquitetura e disposição, devem refletir o caráter sagrado, artístico e funcional dos nossos locais a serviço da evangelização.

Como, infelizmente, vivemos em uma época do descartável, existe sempre a grande tentação de fazermos improvisos, “puxadinhos” ou desvalorizarmos as “coisas antigas”. Combater esse espírito é também a missão da CBCI. Como na Diocese de Jundiaí há riquíssimas obras culturais (templos, quadros, imagens, objetos sacros, paramentos, vitrais, azulejos…), o trabalho da CBCI é conscientizar, catequizar e, se preciso, corrigir o quanto for preciso, a fim de salvaguardar os bens culturais de nossas igrejas, pois ali há uma identidade e uma história a serem lembradas e conservadas. Além disso, também é missão da Comissão estabelecer normas para as novas construções e reformas a serem feitas. Nesta tarefa torna-se muito necessário orientar e incentivar a formação dos membros dos nossos Conselhos Paroquiais de Economia e Administração (CDEAs) nesta área de trabalho, como também acompanhar os projetos e as construções das nossas obras.

Queridos irmãos diocesanos: em sua obra “O Idiota” (São Paulo: Editora Martin Claret, 2015, p. 344), o autor, Fiódor Dostoiévsky, colocou na boca de um de seus personagens a frase: “A Beleza salvará o mundo”. Realmente, o esplendor do Cristo, que seduziu a tantos artistas e apreciadores de suas obras, nos impele para uma responsabilidade sobre aquilo que recebemos das gerações passadas e nos fortalece como vínculos para as futuras gerações. Pois somente o ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1,27) pode reproduzir o Belo, cuja fonte e princípio é o próprio Deus, e merecer o elogio do Salmista: “Tu és o mais belo dos homens, nos teus lábios se espalha a graça, por isso Deus te abençoou para sempre” (Sl 45[44],3).

Pela intercessão da Virgem do Desterro, a Toda Bela, abençoo atodos, principalmente todos aqueles que se empenham, em nossa Diocese, a tornaros nossos locais de culto e de trabalho evangelizador um hino à Beleza divina.

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Povo deve assumir protagonismo

Por José Renato Nalini

Amor primaveril

Por Thaty Marcondes

Plano ambiental não pode ser romântico, mas tampouco reducionista

Por José Arnaldo de Oliveira

Inteligência futebolística

Marcel Capretz fala das coisas do Palmeiras, que pode dar adeus ao ano já em agosto
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.